Vacinação será aberta para população

Ministério da Saúde decide não prorrogar para grupos prioritários. Passo Fundo tem mais de 12 mil doses

Por
· 3 min de leitura
Até sexta-feira o país vacinou mais de 47 milhões de pessoas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A partir de segunda-feira, mais de 12 mil doses de vacina contra a gripe estarão disponíveis para a população fora dos grupos de risco, nas unidades de saúde de Passo Fundo. É que por decisão do Ministério da Saúde, os Estados não irão prorrogar a vacinação para os grupos prioritários, liberado as doses para quem quiser vacinar. Segundo o último levantamento, os grupos prioritários alcançaram 80,25% da meta Total grupo prioritário com 56.152 vacinas aplicadas. Os idosos foram os que mais procuraram ou receberam a vacinação em casa, com 106% da meta alcançada. Crianças e gestantes continuam entre os grupos com menor índice de vacinação.

 

No estado
O município de Passo Fundo segue a orientação da Secretaria Estadual da Saúde para ampliar a campanha de vacinação contra a gripe para toda a população. A orientação da SES, no entanto, é para que as secretarias municipais de Saúde reservem as doses previstas para os grupos das crianças, gestantes e pessoas com comorbidades até atingir 90% da meta de cobertura. Vale destacar que não haverá envio de novas doses por parte do Ministério da Saúde.


Até esta sexta-feira (31), mais de 3 milhões de pessoas já haviam se vacinado no Rio Grande do Sul, o que representa 79% de cobertura dos grupos prioritários. A recomendação do Estado foi tomada em conjunto com Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems/RS) e segue a mesma indicação do Ministério da Saúde.


A orientação para que os municípios reservem doses para os três grupos tem o objetivo de proteger essa população, que tem maior risco de desenvolver complicações graves em decorrência da infecção pelo vírus da Influenza. Cada município deverá avaliar a cobertura vacinal para estes grupos, reservando o número de vacinas necessárias para atingir a meta de 90%.


 
No Brasil
A recomendação do Ministério da Saúde também evitará desperdício de doses nas localidades que não alcançarem a meta de imunização no público-alvo, que continua sendo prioritário. Até o dia 31, quase 80% do público-alvo foi vacinado, o que representa 47,5 milhões de pessoas. Os grupos prioritários tiveram entre os dias 10 de abril e 31 de maio para se vacinar com exclusividade.


Durante o período da campanha, foram priorizados 59,4 milhões de gestantes, puérperas, crianças entre 6 meses a menores de 6 anos, idosos, indígenas, professores, trabalhadores de saúde, pessoas com comorbidades, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade, além de profissionais de segurança e salvamento. Mas, até o início desta sexta-feira (31), 11,9 milhões de pessoas desses grupos ainda não haviam recebido a dose de proteção contra a influenza. A meta é vacinar 90% do público-alvo.


A escolha do público prioritário no Brasil segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) por serem grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. A vacina é a forma mais eficaz de evitar a doença.


Até o momento, seis estados já bateram a meta de 90%: Amazonas (98,5%), Amapá (98,5%), Pernambuco (93,6%), Espírito Santo (91,3%), Rondônia (90,4%) e Maranhão (90%). Outros estados estão bem próximos à meta e já ultrapassaram o percentual de 85%: Alagoas (89,9%), Rio Grande do Norte (88,7%), Minas Gerais (86,6%) e Paraíba (86,1%). Já os estados com menor cobertura são: Rio de Janeiro (63,7%), Acre (73%) e São Paulo (73,1%). Em todo o país, a campanha conta com uma estrutura formada por cerca de 41,8 mil postos de vacinação e a participação de aproximadamente 196,5 mil pessoas.


Casos de gripe no Brasil
Neste ano, até 11 de maio, foram registrados 807 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza em todo o país, com 144 mortes. Até o momento, o subtipo predominante no país é o vírus influenza A (H1N1) pdm09, com registro de 407 casos e 86 óbitos.


Tratamento
Todos os estados estão abastecidos com o fosfato de oseltamivir e devem disponibilizá-lo de forma estratégica em suas unidades de saúde. Para o atendimento do ano de 2019, o Ministério da Saúde já enviou aproximadamente 9,5 milhões de unidades do medicamento aos estados. O tratamento deve ser realizado, preferencialmente, nas primeiras 48h após o início dos sintomas.

 

Vacinação no RS
Acima dos 90%: 199 municípios
Entre 80 e 89%: 165 municípios
Entre 70 e 79%: 101 municípios
Entre 60 e 69%: 26 municípios
Entre 50 e 59%: 5 municípios
Abaixo de 50%: 1 município

 

Grupos prioritários de Passo Fundo
Crianças 73,50%
Trabalhadores da Saúde 80,50%
Gestante 68,52%
Puerperas 80,20%
Idosos 102,74%
Professores 94,94%
Grupos comorbidades doses aplicadas- 10.563
Total de doses aplicadas - 64.146


Grupos prioritários no RS
Crianças 71%
Gestantes 71,1%
Trabalhadores da saúde 80,4%
Puérperas 90,3%
Indígenas 87%
Idosos 90,9%
Professores 102,2%
Doentes crônicos 65,6%
Total - 3.025.349 doses aplicadas 79% 

Gostou? Compartilhe