Vacinas pentavalente estão em falta em Passo Fundo

?sltimo repasse recebido pela Secretaria foi em novembro do ano passado. Situação atinge todo o país

Por
· 2 min de leitura
Passo Fundo recebe lotes contendo 400 doses mensais do imunológico

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde novembro do ano passado, os bebês recém-nascidos na rede pública de saúde de Passo Fundo não são imunizados contra a difteria, o tétano, coqueluche, hepatite B e meningite depois que os postos de saúde locais zeraram os estoques da vacina pentavalente, que protege os pequenos contra essas enfermidades.

A combinação das cinco imunizações em apenas uma está prevista na rotina do Calendário Nacional de Vacinação, mas o abastecimento apresenta um comportamento irregular desde fevereiro de 2019, quando a Vigilância em Saúde registrou a primeira baixa nas reservas da vacina. A explicação para a insuficiência nas doses de imunização, segundo a secretária substituta de Saúde de Passo Fundo, Caroline Gosch, acompanha o cenário nacional que está condicionado aos repasses da pentavalente pelo Ministério da Saúde. “A única possibilidade é aguardar que o Ministério envie mais doses”, disse ela, à frente da pasta de forma provisória em detrimento do período de férias da titular da Secretaria Municipal de Saúde, Carla Gonçalves, na manhã de segunda-feira (06).

O abastecimento da vacina pentavalente, conforme alegou o Ministério da Saúde, está parcialmente suspenso em todo o país desde julho do ano passado porque os lotes foram reprovados no teste de qualidade realizado pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A compra de 6,6 milhões de doses começou a chegar de forma escalonada em agosto no Brasil”, justificou o órgão público. A previsão de normalização, ainda segundo o Ministério, era para o mês de novembro, período no qual os postos de saúde do município receberam as últimas doses. “O cálculo das imunizações é feito a partir da quantidade de nascimentos na cidade”, explicou Caroline.

 

 

Mais de 200 bebês imunizados a cada mês

Com uma média entre 250 a 270 novos bebês nascidos no município a cada mês, a Secretaria recebe lotes de 400 doses mensais da vacina. Em agosto e outubro do ano passado, no entanto, foi recebido a metade das aplicações necessárias; índice que chegou aesvaziar o estoque dos postos locais em setembro. Os repasses da vacina são considerados insuficientes para suprir as três aplicações necessárias às crianças ao completarem 2, 4 e 6 meses de idade.

A imunização pentavalente, de acordo com o Ministério da Saúde, era adquirida de uma empresa indiana, Biologicals E. Limited, e foi interrompida pela Organização Mundial da Saúde/OPAS, que pré-qualifica os laboratórios, pelas reprovações nos testes de qualidade. “O Ministério da Saúde solicitou a reposição do fornecimento à Opas. No entanto, não há disponibilidade imediata da vacina pentavalente no mundo. Por se tratar de um imonubiológico diferentemente dos medicamentos sintéticos, a vacina não tem disponibilidade imediata. Portanto, embora haja recursos para aquisição, o recebimento efetivo pelo Brasil depende do processo de fabricação e testagem”, prosseguiu a nota divulgada pelo órgão nacional de saúde ainda em setembro do ano passado. Com uma demanda mensal de 800 mil doses, em escala nacional, o Sistema Único de Saúde (SUS) deverá fazer uma busca ativa pelos nascidos que completaram dois, quatro ou seis meses de idade entre os meses de agosto e novembro para vaciná-los.

Gostou? Compartilhe