595 gramas de força

Centro de Tratamento Intensivo atendeu a 481 bebês no ano passado, com taxa de 90% de alta hospitalar

Por
· 3 min de leitura
Iudi recebe o carinho da mãe enquanto aguarda a alta hospitalarIudi recebe o carinho da mãe enquanto aguarda a alta hospitalar
Iudi recebe o carinho da mãe enquanto aguarda a alta hospitalar

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quem chega no quarto 333 da Pediatria do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, e vê o pequeno Iudi se espreguiçando e sorrindo, não imagina quão forte e guerreiro ele é. ludi nasceu de 24 semanas, pesando 595 gramas, no dia 25 de novembro de 2017. “Estava tudo bem na gestação e em função de uma infecção ele veio mais cedo. Por sorte, viemos direto para cá, se não ele não ia sobreviver. Cheguei no hospital e logo ele nasceu”, relata a mãe Vanderléia Zonta, de Ciríaco. O recém-nascido foi encaminhado para Centro de Tratamento Intensivo Neonatal e Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCO), onde permaneceu por quatro meses. “Eu nunca tinha visto uma CTI e quando eu vi ele ali, pequeno, frágil, naquele lugar cheio de aparelhos, perdi o chão. Com o passar dos dias, conhecendo a equipe e vendo ele se desenvolver, fui ficando mais tranquila”.

Iudi é um dos 481 bebês atendidos pela CTI Neonatal em 2017, dentro da taxa de alta hospitalar que chegou a 90%. A estrutura completa que engloba profissionais especializados, equipamentos de ponta e cuidado humanizado tornam o serviço referência no interior do estado. A enfermeira Josevane Conte salienta que a estrutura do CTI Neonatal do HSVP é de alta complexidade, com tecnologias que facilitam o cuidado e aumentam as taxas de sobrevida dos bebês, como por exemplo as incubadoras umidificadas, essenciais nos casos de prematuros extremos como o Iudi. “Recebemos muitos casos de prematuros extremos e com baixo o peso e tivemos bons resultados. Se compararmos com uma gestação de 40 semanas percebemos que é bastante diferença, esses bebês se desenvolvem dentro da incubadora e ficam mais suscetíveis ao manejo, as infecções, por isso o cuidado é minucioso”, enaltece Josevane evidenciando que Iudi não teve sequelas em função da prematuridade.

A médica pediatra e neonatologista do CTI Neonatal, Dra. Cristiane Cassanelo evidência que os prematuros que nascem com menos de 1.500 kg são considerados extremos e que a taxa de mortalidade de bebês que nascem antes das 26 semanas é de 70%. “Esses bebês têm bastante dificuldade para respirar em função do pulmão ser muito imaturo, por isso eles passam muito tempo no suporte respiratório e como consequência são mais propensos a infecções respiratórios e pneumonias. Além disso, a imunidade dos prematuros extremos é muito baixa e o risco de problemas cardíacos mais alto”, explica a especialista, informando que em 2017, a CTI Neonatal do HSVP recebeu 36 prematuros nascidos com menos de 26 semanas e que, 12 deles tiveram alta hospitalar.

A neonatologista evidencia ainda que, o cuidado com esses bebês é muito minucioso e requer um trabalho multiprofissional. “Outro fator que foi muito importante no caso do Iudi, e que é fundamental em todos os casos de prematuros, é o aleitamento materno. Quando a mãe consegue amamentar, esgotar o seu leite para o bebê, há um ganho, pois é um alimento específico para ele, o que diminui infecções intestinais e fortalece a imunidade do bebê".

Para que as mamães consigam amamentar e os pais fiquem tranquilo para dar apoio e carinho, além de cuidar dos bebês, a equipe do CTI dá suporte aos pais, que precisam estar bem, para acompanhar o dia a dia dos pequenos. “Nós nos preocupamos com as mães, se estão dormindo se alimentando, pois precisam estar bem para produzir o leite, pensamos nos pais que muitas vezes ficam no trabalho e podem ver os filhos só a noite e também quando a família é de outra cidade procuramos saber onde estão hospedados e disponibilizamos as refeições para o acompanhante do bebê”, explica Josevane.

Humanização que faz a diferença

A equipe do CTI Neonatal se preocupa muito com a qualidade de vida dos pacientes prematuros que são atendidos, por isso, além de todas as técnicas e tecnologias que são utilizadas, os profissionais atuam de forma humanizada, se utilizando de cuidados específicos que amenizam a dor, acalmam os bebês e favorecem o ganho de peso. “Nós temos o cuidado Canguru, a técnica do Casulo, o banho de Ofurô, a hora do soninho e Musicaterapia que são momentos que acalmam os bebês e ajudam a diminuir o estresse, que vão refletir na sua qualidade de vida no futuro”, pontua. Iudi recebeu todos esses cuidados, mas o que mais emocionou a mãe foi o método Canguru, técnica que consiste em deixar mãe e bebê em contato pele a pele. “Eu peguei ele pela primeira vez com 13 dias e fizemos o Canguru. Foi muito emocionante. Ao mesmo tempo em que tinha receio pelo tamanho dele, estava feliz por pegá-lo no colo. O Canguru foi muito importante para nós dois”, relata a mãe. 

Depois de quatro meses de internação no CTI Neonatal e UCINCO, Iudi foi para Pediatria onde aguarda a recuperação completa para ir para casa. Com 3,355kg ele curte o carinho da mãe que está ansiosa pela alta, depois de cinco meses no hospital. “Não tenho palavras para agradecer a equipe, elas me entregaram meu filho de volta, auxiliaram muito e fazem um trabalho maravilhoso. São anjos que em um momento difícil como este ajudaram muito. Agora é só ir para casa e curtir”, agradece a mãe, que contava com o apoio do marido Airton Silvano Vansini, para cuidar do filho mais velho, Iuri, seis anos.

Gostou? Compartilhe