A febre das figurinhas

A corrida para preencher as mais de 600 figurinhas das 32 seleções, começa cedo da tarde e segue até o fechamento do estabelecimento.

Por
· 2 min de leitura
Leandro Alves de Oliveira, 38 anos, acompanha a filha e o afilhado na busca pelas figurinhasLeandro Alves de Oliveira, 38 anos, acompanha a filha e o afilhado na busca pelas figurinhas
Leandro Alves de Oliveira, 38 anos, acompanha a filha e o afilhado na busca pelas figurinhas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em tempos de Copa do Mundo, o domingo passou a ser o dia da semana  em que  os colecionadores de figurinhas  se encontram  para  grande troca coletiva. Na expectativa de guardar uma lembrança do mundial disputado no Brasil, cada edição chega a reunir mais de 300 pessoas. O local é sempre o mesmo: a praça de alimentação do supermercado Zaffari Bourbon, em Passo Fundo. Desde o início da promoção ou da ‘febre’, já ocorreram oito grandes trocas. A corrida para preencher as mais de 600 figurinhas das 32 seleções, começa cedo da tarde e segue até o fechamento do estabelecimento. Por volta das 14h, já é possível encontrar crianças, jovens, adultos e idosos debruçados sobre as mesas conferindo pilhas de cromos.

A negociação segue regras simples estabelecidas automaticamente pelos participantes. “É só entregar as tuas e pegar a do outro para procurar” explica um menino de seis anos. As figurinhas correm de mão em mão e, aos poucos, a listagem trazida de casa com a numeração restante vai sendo bordada de x. Participando da quarta edição de troca consecutiva, Leandro Alves de Oliveira, 38 anos, lembra ter colecionado apenas o álbum da Copa de 86, mas não chegou a completá-lo. Este ano decidiu retomar a brincadeira ao lado da filha, Ana Clara Oliveira, 6 anos, e do afilhado, Guilherme Kurtz Bier Zanin, 13. Segundo ele, a intenção é relembrar e passar o sentimento vivido na  infância aos dois. “Acho bacana contagiar eles com esta empolgação atrás de cada figurinha. São momentos alegres e simples que vivemos juntos” comenta.


Preencher o álbum foi a forma que Sabrina Tartari, 36 anos,  encontrou para marcar a primeira Copa com o filho, João Vitor, 4 anos. Participando pela segunda vez da troca coletiva, ela também aproveita as idas à escola do garoto para aumentar a coleção. “Também tem o fato de ser no Brasil, dá um toque especial. Ele terá uma recordação e tanto quando crescer” prevê. Restando cerca de 20 figurinhas para encerrar a busca, Sabrina conta que o filho costuma assistir aos jogos pela televisão conferindo no álbum as seleções e nome dos jogadores. “Gostei mais de encontrar o Neymar” revela o pequeno.

Retornando à infância
Falar em álbum de figurinha é retornar à infância para Cláudio Borges, 43 anos. Enquanto confere cada pilha de cromo, ao lado do filho, João Manuel Borges, 13 anos, lembra-se da época em que frequentava os arredores da rodoviária de Esmeralda, sua cidade natal, catando tampinha de refrigerante com o rosto dos craques da Copa de 78, disputada na Argentina. Na edição seguinte, em 82, a busca foi pelas figurinhas que vinham nas embalagens de  chicletes. “Meus pais não tinham condições de ficar comprando a  toda hora. O negócio era se virar nos bares e rodoviária. Agora estou possibilitando isto para meu filho. A gente acaba revivendo a infância, aquela época toda” recorda emocionado.
 
Na mesa ao lado, Sandro Ribas, 43 anos, comenta que no álbum atual não existe nenhum jogador   considerado mais difícil de ser encontrado do  que a outro. Para ele, participar das trocas coletivas é maneiras mais rápida e econômica para completar a coleção. “Na nossa época não havia esses grandes encontros, a dificuldade era enorme. Comprava, comprava e sempre ficavam faltando algumas” observa.

A movimentação na praça de alimentação acabou contagiando  o jovem Jonathan Teixeira, 28 anos, Ele já havia adquirido um álbum para o filho, Bernardo, de 10 anos, mas ao ver os colecionadores reunidos decidiu entrar na brincadeira. “Achei legal este clima e resolvi participar. Vou ter que correr para completar” conta sorrindo. Funcionária da revisteira instalada no local das trocas, Fernanda Tauffer, 16 anos, dá uma dimensão  da ‘mania’. Segundo ela, diariamente é vendida uma caixa com cinco mil cromos. Nos finais de semana, o número sobe para três caixas.

Gostou? Compartilhe