Adubação biológica propicia descompactação do solo

Produto apresentado em dia de campo ajuda a repovoar os solos agricultáveis com micro-organismos benéficos

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A compactação, diminuição da vida e da fertilidade dos solos são problemas causados pela monocultura que prejudicam o desenvolvimento rural. Com o solo menos poroso, as raízes tendem a se manter na superfície e com isso a água disponível em profundidades maiores pode não estar acessível em períodos de seca, por exemplo. A adubação biológica é uma das alternativas que, embora não tenha resultado imediato, propicia a descompactação do solo e o repovoamento com micro-organismos benéficos que podem auxiliar, inclusive, na diminuição de algumas doenças ou pragas das culturas. Em um Dia de Campo realizado nesta semana um novo produto foi apresentado a produtores rurais de Passo Fundo e região. Com um investimento relativamente baixo por hectare é possível recuperar gradativamente propriedades físicas desejáveis.

O Microgeo funciona como um tipo de alimento que promove a multiplicação dos micro-organismos desejáveis e os estabiliza para serem levados ao campo. O produto, que tem certificação pelo IBD como insumo para agricultura orgânica, estimula o desenvolvimento de aproximadamente 200 espécies de micro-organismos, presentes no esterco bovino, que são produzidos nas próprias propriedades rurais. De acordo com o engenheiro agrônomo e representante comercial do produto Antônio Pintro toda essa vida é encontrada facilmente nas áreas de matas onde os solos são muito férteis. No entanto, onde há a monocultura a vida do solo diminui ano após ano. “Num período de cinco anos após a utilização da monocultura, a vida no solo diminui até 70%. O Microgeo é uma ferramenta para revitalizar o solo. Você devolve condições de vida parecidas com as que se encontram na mata”, destaca Pintro.

Como funciona
A produção do adubo orgânico é feita a partir de uma mistura de 15% de esterco bovino, 5% de Microgeo e água. O volume produzido na propriedade deve levar em conta a área a ser coberta pelas aplicações. A regra geral é de 300 litros por hectare, divididos em duas aplicações iguais, no inverno e no verão, sempre no período de desenvolvimento vegetativo.

A biofábrica, como é chamado o reservatório – que pode ser desde uma caixa d’água ou mesmo um pequeno lago artificial cuja profundidade não ultrapasse 1,90 metro – deve sempre ficar em lugares com insolação direta. Após a mistura ser colocada, o produtor rural precisa esperar pelo menos 15 dias para fazer a primeira aplicação que pode ser feita com pulverizadores normais. “Laudos da Esalq e da USP comprovam que cada ml do adubo biológico pronto tem mais de 100 milhões de unidades formadoras de colônia”, acrescenta. Na primeira aplicação pode ser retirado até 70% do volume do tanque. Após a reposição de água e complementação do produto em quantidade de 2,5%, é possível fazer nova aplicação após sete dias.

A aplicação do adubo biológico não substitui o fertilizante tradicional. Ela ajuda a deixar os elementos de uma adubação tradicional mais disponível para as culturas, principalmente no caso do fósforo. “Cerca de 30% do fósforo aplicado fica disponível para a planta o restante fica indisponível. Essa atividade biológica vai disponibilizando esse elemento. É um dos grandes benefícios além da descompactação”, esclarece.

Gostou? Compartilhe