Beira-trilho: Reintegrações de posse são suspensas

Decisão foi anunciada após reunião com o ministro da Infraestrutura

Por
· 1 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Durante audiência na quarta-feira (11/03), com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, a empresa Rumo Malha Sul informou que suspendeu os processos de reintegração de posse no Rio Grande do Sul até que sejam implantados estudos sobre a concessão da Malha Sul. O ministro garantiu que o governo apoiará medidas para superar o impasse entre as famílias que residem nas margens das ferrovias e a Rumo, concessionária da malha ferroviária no Rio Grande do Sul.

Passo Fundo é uma das cidades, cujas famílias residentes na faixa de domínio de 15 metros das ferrovia poderão permanecer sem risco de despejo. No caso de municípios com viabilidade econômica, será examinada a possibilidade de receberem contornos ferroviários. Já municípios sem operações ferroviárias há anos serão excluídos do contrato.

“Eu acho que agora em poucos meses nós resolvemos um grande problemão que tínhamos na cidade de Passo Fundo”, diz otimista o vereador Rudimar dos Santos (PCdoB). De acordo com ele, o município retornará a Brasília para a regularização e entrega de escrituras para famílias que moram há anos na Beira-Trilhos. O vereador espera também regularizar em breve a situação de abastecimento de água e luz nas localidades. “Agora com essa minuta, com os projetos, com a ata de tratamento que foi combinado, eu posso ligar água e luz para essas famílias que estão precisando”, diz o vereador.

Em relação às novas ocupações, Rudi diz que é importante conversar com as famílias. “Não pode invadir um trecho de 5m de um lado ou para o outro, tem que deixar aquele espaço livre” . Ele explica que a empresa ainda pode utilizar os trilhos futuramente. “Eu acho muito importante um alerta para as famílias que não ocupem a parte do trilho, que não entrem mais fazer outras ocupações. Vamos manter as que já estão há muitos anos e não vamos ocupar mais outras áreas”, diz Rudimar.

Gostou? Compartilhe