Como a situação do país influencia no sentimento patriota da população?

Com as comemorações da Semana da Pátria que culminam com o desfile desta quarta-feira, 7, sentimento dos cidadãos em relação ao país deve transparecer

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O retrato histórico clássico diz que Dom Pedro I, às margens do Rio Ipiranga, ergueu a espada e declarou ao seu povo: “independência ou morte?”. Há quem diga que foi assim, já outros discordam dessa visão romântica do herói nacional. Da mesma forma nos últimos meses o povo brasileiro viu a sua bandeira ser erguida com argumentos supostamente defensivos à honra do país e de seus cidadãos. Seja no cenário político, econômico ou esportivo os símbolos nacionais têm sido evidenciados nas mais diversas situações, inclusive no processo do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Mas a dúvida que surge neste cenário é sobre como o patriotismo é influenciado por todas essas inconstantes vivenciadas atualmente?

Para o professor e coordenador da área de Ciências Sociais da Universidade de Passo Fundo, Me. Glauco Ludwig Araujo, neste momento é difícil prever de que modo a situação vai interferir nos sentimentos do brasileiro em relação ao país, pois ainda é muito cedo para avaliar as repercussões que os desdobramentos da conjuntura terão. “Parece-me, contudo, que o cenário não é muito promissor. No que tange o cenário econômico, alguns analistas acreditam no início da reversão do ciclo depressivo já no ano que vem, mas essa aposta ainda é uma incógnita. A situação política contribui para que a expectativa seja justamente a da continuidade e aprofundamento da crise”, inicia.

Fortalecimento da polarização

Para ele, da mesma forma que a situação da economia não dá margem para otimismos, tampouco a crise política parece ter chegado ao fim. “A polarização de dois grandes campos político-partidários que se acentuou após a eleição de 2014 ficou ainda mais crítica após o processo de impedimento da presidenta Dilma Rousseff. Tratou-se de um processo com uma carga política muito maior do que técnica. Não à toa, uma série de juristas já se dividia entre opiniões atestando a legalidade ou exceção nos procedimentos jurídicos. E esses dilemas ficaram ainda mais acentuados com a permissão concedida à Dilma para que possa voltar a concorrer, mesmo após o afastamento da presidência”, argumenta.

Confira a reportagem completa na edição impressa.

Gostou? Compartilhe