Gambás são encontrados em Esmeralda e recebem atendimento na UPF

A mãe dos nove filhotes foi encontrada morta

Por
· 1 min de leitura
Estado de saúde dos gambás é considerado bom (Fotos: Equipe Geas/UPF)Estado de saúde dos gambás é considerado bom (Fotos: Equipe Geas/UPF)
Estado de saúde dos gambás é considerado bom (Fotos: Equipe Geas/UPF)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Grupo de Estudos de Animais Silvestres da Universidade de Passo Fundo (Geas/UPF) está atendendo nove gambás que foram encontrados no município de Esmeralda (RS). Os nove irmãos gambás (5 fêmeas e 4 machos) foram encaminhados à UPF pela mesma patrulha da Brigada Militar que recentemente resgatou os filhotes de puma às margens da BR 285, em Vacaria. A mãe dos gambás foi encontrada sem vida.

Segundo a coordenadora do Geas, professora Me. Michelli de Ataíde, os animais são considerados jovens, possuem dentes, mas ainda mamam. “Além do leite, os integrantes do Geas tem priorizado a dieta natural deles, composta de carnes, ovos, frutas e proteínas vegetal e animal”, comenta.

Com o estado de saúde bom e sem necessitar tanto da dependência humana, os animais devem ter alta para reabilitação e vida livre em cerca de duas ou três semanas. “Após a recuperação, eles poderão ser reintroduzidos na natureza, pois são espécies filantrópicas, que acabam vivendo bem em áreas periurbanas, rurais. Eles também são capazes de sobreviver na região urbana, em pequenas tocas e árvores, podendo se aglomerar em construções”, relata Michelli.

Espécie comum na região

A presença dos gambás é comum na região de Passo Fundo e no Brasil, tendo apenas algumas diferenciações genéticas. Eles só começam a liberar o mal cheiro na puberdade, quando se sentem ameaçados. De acordo com a professora Michelli, os gambás são animais oportunistas e se alimentam de tudo o que encontrarem, não possuindo uma única opção de alimento. “Por isso, eles são bem resistentes as intempéries ambientais. No inverno, por exemplo, com a alimentação mais escassa, eles se alimentam de frutas, sementes, folhas e carnes”, conta a docente.

Geas

Além de atender as mais diversas espécies, o Grupo de Estudos de Animais Silvestres desenvolve programas de conscientização da fauna brasileira.

Os animais devem retornar a natureza em breve (Foto: Divulgação)


Gostou? Compartilhe