Mais de 100 dias após protesto situação precária não mudou

Reforma para correção de problemas estruturais no prédio de mais de meio século ainda não foi iniciada

Por
· 1 min de leitura
Escola conseguiu recursos para reinstalar o interfone no portão principalEscola conseguiu recursos para reinstalar o interfone no portão principal
Escola conseguiu recursos para reinstalar o interfone no portão principal

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Passados mais de 100 dias do protesto realizado pela comunidade escolar da Escola Eulina Braga, realizado no mês de maio, nada mudou na vida de professores, estudantes e funcionários. As rachaduras ainda estão nas paredes, o chão da sala onde deveria funcionar a secretaria continua com um buraco e as goteiras estão maiores. De acordo com a coordenadora da 7ª Coordenadoria Regional de Educação de Passo Fundo Marlene Silvestrin, a data de início da obra será divulgada na próxima semana. 

A mãe Cristiane dos Anjos tem dois filhos que estudam na escola e acompanha de perto a situação e destaca que mesmo depois da manifestação nada mudou. Na manhã de sexta-feira (29) uma empresa fazia a instalação da estrutura que servirá para apoiar cabos de internet que serão instalados na escola. As estruturas foram colocadas em corredores e mesmo em salas onde havia rachaduras que não receberam reparos. No portão de entrada um interfone foi colocado graças ao esforço da escola que conseguiu o valor necessário para colocar o aparelho.

Lembre o caso
No mês de maio, professores e alunos da Escola Estadual Eulina Braga realizaram uma manifestação para chamar a atenção sobre a precariedade estrutural do educandário. A situação vem sendo reiterada pela comunidade escolar desde 2011. Na sala que antes funcionava a secretaria está vazia. O assoalho de madeira está cedendo, e um buraco chegou a se formar. Com medo de que tudo desabasse, a providência emergencial foi trocar a secretaria de lugar. Agora ela está instalada no salão de atos da escola, onde as crianças faziam algumas atividades de lazer. No refeitório e na sala de recursos as rachaduras tomam conta das paredes.

Na quadra de esportes e no parquinho com brinquedos para as crianças o cenário não é muito diferente. O mato e o barro tomam conta do espaço entre os brinquedos, o que dificulta a utilização por parte dos pequenos. Na quadra coberta as paredes salpicadas e próximas à quadra são um perigo para a realização das aulas de educação física. Além disso, há vazamentos, problemas com esgoto e vidros quebrados.

O que diz a CRE
A 7ª Coordenadoria Regional de Educação informa que a obra está em fase de empenho e prevê recuperação do assoalho, rede de esgoto, rede elétrica e também das paredes. Na próxima semana será divulgada a data de início da obra.

Gostou? Compartilhe