Morte de abelhas pode estar associada ao uso de agrotóxicos

Na região, mortes foram registradas em Marau, no entanto, ainda não há um levantamento preciso do número de colméias atingidas

Por
· 2 min de leitura
Abelhas mortas próximas à colméia em comunidade do interior de Marau Em casos de contaminação por agrotóxicos é comum que a colméia inteira morraAbelhas mortas próximas à colméia em comunidade do interior de Marau Em casos de contaminação por agrotóxicos é comum que a colméia inteira morra
Abelhas mortas próximas à colméia em comunidade do interior de Marau Em casos de contaminação por agrotóxicos é comum que a colméia inteira morra

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A morte de colméias inteiras em diferentes regiões do Estado tem sido um sinal de alerta neste início de ano. O problema, que ainda não teve uma causa específica identificada, pode estar sendo causado pelo uso inadequado de defensivos agrícolas. A morte dos insetos, além de prejudicar a produção de mel, pode ter reflexos também em outras áreas, tendo em vista o trabalho que as abelhas desempenham na polinização de diferentes culturas. Em Marau, na comunidade de São Francisco foram identificadas mortes de colméias inteiras. A Associação dos Apicultores de Marau (Apimar), no entanto, ainda não tem um levantamento completo do problema.


O engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Antônio Altíssimo, explica que neste período do ano a morte das colméias, geralmente, não é causada em decorrência de problemas ambientais ou climáticos. “O que causa a morte de abelhas, geralmente é o inverno rigoroso. Principalmente quando o agricultor não tem os cuidados adequados pré-inverno e durante o inverno. No inverno a abelha não consegue, em função de frio, chuva, neblina, ventos fortes, trabalhar adequadamente e passa um grande tempo consumindo o mel depositado na colméia”, explica sobre as causas mais comuns. Ele exemplifica que no inverno passado ocorreram muitos casos de abelhas que morreram de fome e de frio pela falta de mel para alimentá-las e garantir a energia que elas precisavam para manter as colméias aquecidas. “No verão não, a abelha busca alimento, estamos com floradas ainda boas”, compara.


Outra hipótese levantada, e a mais provável, é o uso inadequado de agrotóxicos nas lavouras. Quando produtos inadequados são aplicados ou são aplicados de forma inadequada, eles podem causar esse tipo de problema. “Na intoxicação por veneno é normal morrer o enxame inteiro, porque grande parte das abelhas que vão ao campo leva o pólen contaminado para dentro da colméia e repassa para as outras abelhas que estão dentro da colméia e causa uma contaminação geral e elas morrem dentro e também próximo a ela”, explica.


Alternativa
Apesar de parecer inconciliável, é possível continuar produzindo e, ainda assim, cuidar das abelhas, tanto as com ferrão quanto as sem. Altíssimo explica que na metade Sul do Estado, por exemplo, agricultores e apicultores conseguem manter o equilíbrio. “A soja tem uma flor muito procurada pela abelha e quando é feito o uso inadequado de produtos acaba causando a mortalidade dos insetos”, reitera sobre a importância do uso correto de defensivos a fim de se minimizarem efeitos colaterais. “Nosso trabalho sempre foi na linha de proteção às abelhas e qualquer inseto que seja benéfico ao meio ambiente e à agricultura, em nenhum momento fomos contrários ao uso de agrotóxicos para controle de pragas na lavoura, mas o que pregamos é o uso correto e adequado nas lavouras quando realmente é necessário e em horários específicos”, reforça.
O engenheiro agrônomo ainda ressalta que existem estudos internacionais que relacionam a população de abelhas com os índices de produtividade de algumas culturas, mas que não há um estudo específico realizado regionalmente. “Grande parte do agricultor e da população em geral não sabe o valor da abelha para a produção do alimento que está em nossa mesa”, lamenta. O trabalho de polinização realizado por estes insetos é fundamental para a produção de frutos e também de grãos. Neste ano, na Expodireto Cotrijal a Emater abordará o tema.


Recuperação dos enxames
Com as mortes das colméias, os apicultores precisam esperar, pelo menos, até a próxima primavera para conseguirem refazer seus enxames. Na estação, as abelhas passam pelo processo de enxameação, em que é possível capturar os insetos na natureza e acomodá-los nas caixas utilizadas pelos apicultores para a produção de mel. Altíssimo também ressalta a importância dos apicultores fazerem o correto manejo antes e durante o inverno para que as abelhas tenham a disponibilidade de alimento para passar pela estação.

Gostou? Compartilhe