Período de reprodução das abelhas pode causar transtornos

Locais escuros, secos e frescos são escolhidos para abrigar as colméias. Enxame pode ser retirado sem ser morto

Por
· 2 min de leitura
Formação de apicultores objetiva reverter morte de abelhas e extinção de colméiasFormação de apicultores objetiva reverter morte de abelhas e extinção de colméias
Formação de apicultores objetiva reverter morte de abelhas e extinção de colméias

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O período entre a primavera e o verão concentra o momento de reprodução das abelhas. Chamado de enxameação, é quando as colméias se reproduzem e escolhem os locais onde ficarão instaladas. Não raramente, esses enxames acabam por se instalar em casas ou locais de circulação de pessoas e podem causar alguns transtornos. Para evitar acidentes é preciso remover os enxames destes locais, mas para isso não é necessário matar as abelhas, que desempenham importantes papeis na natureza.


De acordo com o assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, Vilmar Wruch Leitzke, para que a enxameação aconteça é necessário que o clima e a oferta de alimento para as abelhas estejam favoráveis, o que coincide com a primavera, o aumento das floradas e das temperaturas. Neste ano, os últimos 20 a 30 dias não foram favoráveis à enxameação devido ao excesso de chuva. Com isso, provavelmente daqui pra frente, se houver a redução das chuvas haverá um novo ciclo de enxameação.


Neste processo, a abelha procura se estabelecer onde tenha uma condição de moradia que passa basicamente por um lugar escuro, fresco, seco e com disponibilidade de alimento. Por isso, muitas vezes elas procuram telhados quando estão na cidade. “Ela não vai formar uma nova colméia onde já tenha um enxame ela vai procurar um novo território”, complementa. Para Leitzke, o extermínio do enxame deve ser considerado a última opção. “Se colocar veneno ou fogo ela vai se sentir ameaçada e a probabilidade dela atacar é alta. Para abelhas que estejam no telhado, por exemplo, se remover as telhas e deixá-las na claridade elas vão embora procurar outro lugar”, sugere. Nesse processo, geralmente as abelhas vão embora no mesmo dia. Um apicultor também pode ser acionado para essa retirada, no entanto ele não conseguirá retirá-las no mesmo dia devido ao processo necessário para isso


Leitzke explica ainda que enquanto o enxame está em busca de um novo local as chances de um ataque são pequenas. Isso porque as abelhas se enchem de mel e saem á procura de um local com as condições ideais. Nesse caminho também é possível que elas parem em árvores, por exemplo, enquanto não se estabelecem. Essa parada, porém, é transitória e a recomendação é não mexer no enxame para não correr o risco de ser atacado.

Produção de mel
Na região ainda há problemas com a morte de abelhas e a extinção de colméias. No entanto, essas situações têm sido revertidas com a formação dos apicultores para poderem manejar as colméias de forma adequada durante todo o ano, não apenas no período de colheita do mel. Neste momento, os produtores já fizeram uma colheita de mel, mas a chuva tem dificultado o trabalho das abelhas de recolherem pólen e néctar. Os dias nublados também dificultam a saída dos insetos a campo. “O bom manejo garante que o enxame seja forte ao longo do ano vai garantir maior produção e que se tenha menor perda de enxame”, reforça.

Gostou? Compartilhe