Professores da rede municipal discutem reajuste salarial

Magistério se reuniu, ontem, no CTG Lalau Miranda, para votar conjunto de reinvindicações que serão enviadas ao poder executivo

Por
· 1 min de leitura
Professores votam propostas de reivindicaçõesProfessores votam propostas de reivindicações
Professores votam propostas de reivindicações

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Cerca de 300 professores da rede municipal de Passo Fundo se reuniram na tarde de quarta-feira (21) em uma Assembleia organizada pelo CMP Sindicato e Sindicato dos Professores Municipais de Passo Fundo, para debater uma série de reinvindicações que serão encaminhadas ao executivo.


Entre as causas pleiteadas está o reajuste salarial; a promoção das professoras de educação infantil que ainda não passaram pela troca de nível; a defesa da isonomia salarial do professor municipal com os demais servidores de mesma graduação, e a manutenção do texto do Plano Municipal de Educação.

 

Através de votação, os professores aprovaram por unanimidade todas as propostas. Na negociação, o magistério reivindica a data-base de 7.67%, tratando-se do piso nacional dos educadores, que ficou em 6.81%, com acréscimo das correções referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março, que estão em atraso. O professor e diretor do CMP, Eduardo Albuquerque, afirma que, "se o percentual estabelecido pela categoria não for contemplado pela prefeitura, Passo Fundo deve ficar abaixo do piso nacional pela primeira vez desde que foi instituída a Lei Federal que regulamenta o piso salarial para os profissionais do magistério". Em dezembro, o piso nacional passou de R$2.298 para R$2.445,35 e os professores da rede municipal de Passo Fundo têm recebido um salário de R$2.304, havendo defasagem.

 

Além do reajuste, as professoras da educação infantil reivindicam promoção, ou seja, a progressão de um nível para outro, de acordo com a especialização de cada uma. A assessoria de imprensa do CMP Sindicato comenta que há mais de quatro anos, mais de 100 professoras da educação infantil aguardam essa promoção, que é garantida no momento da aprovação no concurso. No entanto, a Prefeitura não tem atendido aos pedidos, alegando falta de vagas. Em decorrência disso, o CMP elaborou um projeto de como resolver a situação sem que seja preciso a criação de novas vagas, mas o executivo não se manifestou sobre o assunto.

 

A última pauta a ser votada pelos professores foi a manutenção do texto original do Plano Municipal de Educação. A pauta foi levantanda após tentativas de vereadores de, recentemente, tentar colocar a alteração do PME para votação na Câmara de Vereadores.

Gostou? Compartilhe