Relevo será representado pelo curso de Geografia

Curso de Geografia da UPF está produzindo uma maquete de quase 4m²

Por
· 2 min de leitura
A maquete desenvolvida pelo Curso de Geografia, que será apresentada no Muzar, vai fazer parte do circuito de exposições que será aberto à comunidade no mês de julho.A maquete desenvolvida pelo Curso de Geografia, que será apresentada no Muzar, vai fazer parte do circuito de exposições que será aberto à comunidade no mês de julho.
A maquete desenvolvida pelo Curso de Geografia, que será apresentada no Muzar, vai fazer parte do circuito de exposições que será aberto à comunidade no mês de julho.

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Curso de Geografia da UPF está produzindo uma maquete de quase 4m² que vai representar o relevo de Passo Fundo e do Berço das Águas
Representar o relevo de Passo Fundo e, ainda, do espaço conhecido como do Berço das Águas – que compreende, também, áreas dos municípios de Coxilha e Mato Castelhano – é o desafio do Curso de Geografia da Universidade de Passo Fundo. A proposta do Projeto Rio Passo Fundo - desenvolvido pelo Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS), com o apoio do Museu Histórico Regional (MHR), do Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar) e do Comitê Rio Passo Fundo e realizado com o patrocínio do Programa CAIXA de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro 2017/2018 – é que, através de uma maquete, exposta no Muzar, a comunidade possa compreender, de forma mais clara, o relevo, sua altitude e os importantes pontos que compreendem a área.


Desafio para o curso
Com quase 4m², a maquete – que é a maior já construída dentro do curso está em fase final de produção. Para chegar no resultado, no entanto, o trabalho iniciou ainda em 2017. “Imediatamente aceitamos a demanda uma vez que, para o curso de Geografia, é uma oportunidade de termos os alunos inseridos em um trabalho prático”, inicia a coordenadora do curso, professora Luciane Rodrigues de Bitencourt. “A representação em maquete é uma forma de representarmos cartograficamente algum espaço geográfico, nesse caso, além da cidade de Passo Fundo é, especialmente, o Berço das Águas e as principais nascentes que o local abriga: Rio Passo Fundo, Rio Jacuí, Rio Taquari-Antas e Rio Apuaê-Inhandava”, complementa.


Ela explica, também, que o trabalho envolveu o estudo de mapas, definição de área a ser representada, elaboração de moldes, recorte, escolha de cores e, por fim, a pintura do material – que está sendo colorido com as tintas naturais produzidas pela professora Maria Lucina Bueno e pelos estagiários que acompanharam o processo. “Para a Geografia foi muito importante o envolvimento com o Projeto, uma vez que trabalhamos com hidrografia e relevo em sala de aula. Assim, no momento em que se foi a campo, é possível perceber a troca de experiências e essa parceria com os outros cursos para discutir assuntos que são trabalhados academicamente enriquece os alunos e os professores”, enfatiza a professora.


Representação cartográfica
Depois de pintada, a maquete ainda vai passar por uma finalização para demarcar pontos importantes da cidade. A bolsista Allana Antunes Perin, que participou do Projeto desde o início, explica que serão indicados, além dos Rios e nascentes, as praças, parques e a própria Universidade. “Essas indicações são importantes para que a comunidade possa se identificar na maquete e perceber o quão longe ou o quão perto estamos dessas localidades”, coloca e acrescenta, ainda, que a representação mais importante é, de fato, a do relevo. “O relevo de Passo Fundo começa depois dos 500m de altitude em relação ao nível do mar. Cada uma das cores vai representar uma elevação de 50m. Assim, o ponto com maior altitude chega a 756m”, explica.


Crescimento
Para Bruno Ribeiro de Oliveira, bolsista ao lado de Allana, a vivência no Projeto Rio Passo Fundo garante experiência e crescimento. “O trabalho tem sido de grande significância para mim. Está sendo um Projeto que me abre muitos horizontes, justamente pela questão interdisciplinar. É possível ter uma visão mais ampla daquilo que está sendo feito”, coloca. “O Projeto nos desafia a entender a importância da proteção a esse patrimônio histórico, politico, cultural que é o Rio Passo Fundo. É preciso maior visibilidade e preservação desse Rio que se mostra muito pressionado pelas atividades antrópicas. É preciso ter um olhar mais cuidadoso com ele porque ele faz parte do nosso lugar”, conclui.

Gostou? Compartilhe