Uma aventura ao ronco dos motores V8 do Galaxie

Passo-fundenses atravessam a Cordilheira dos Andes para divulgar o Encontro de Carros Antigos

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


De Passo Fundo a Viña Del Mar. Ida e volta serão quase 5 mil quilômetros. Esse é o roteiro de um grupo de passo-fundenses formado por 10 aficionados pelo antigomobilismo. Eles viajam em três unidades de um automóvel que fez história no Brasil: o Galaxie. Apaixonados pelo automobilismo, são integrantes do Auto Club Veículos Antigos de Passo Fundo. Colecionadores, pilotos ou mecânicos, adoram aventuras, ronco dos motores e têm elevada octanagem nas veias. Na quinta-feira iniciou a aventura com um sabor de nostalgia. Os imponentes Galaxie passam e atraem os mais curiosos olhares em solo brasileiro, argentino, chileno ou uruguaio. Carinhosamente chamado de Galoxão, o Ford Galaxie é tracionado por motor V8 e gosta de ‘beber’ um litro de gasolina a cada 6 km. Mas oferece muito conforto sobre uma suspensão macia e quase flutuante.

 

Carros & tripulantes
As três relíquias utilizadas na viagem têm, em média, 45 anos. Um é o Galaxie 500 modelo 1972 na cor azul turquesa, tendo como tripulantes Igor Loss da Silva, Claudir Zandoná e Manoel Antônio Gomes. O Galaxie Landau ano 1976 prata leva Marcelo Araújo Vargas, Hugo Vargas Filho, Aido Fante e Rodrigo Côgo. Já o Galaxie 500 ano 1979 azul oliva tem a bordo Eduardo Antônio Feijó, Carlos Nino Feijó e Mark Dilda. A viagem integra o calendário de eventos do Auto Club Veículos Antigos. “O ACVA procura promover a cada dois anos uma viagem para os seus integrantes com automóveis antigos. A preferência pelo Galaxie foi pela robustez e conforto”, explicou Igor Loss da Silva.

 

Viagem tranquila
Ao contrário do que muitos podem imaginar, esses automóveis antigos não representam risco de problemas técnicos. São verdadeiras joias e têm impecável manutenção. “Chegamos agora (terça-feira) ao destino final da viagem sem qualquer contratempo. Saímos na quinta (19) de Passo Fundo em direção a São Borja, onde pernoitamos. Após nos dirigimos até Santa Fé, onde pernoitamos novamente. Depois, na perna mais longa, foram 900 km até Mendoza, onde passamos dois dias e visitamos a Bodega Lopes e o centro da cidade. Em direção a Santiago do Chile, tivemos o trecho mais bonito da viagem, com as estações de esqui, montanhas com neve e a temida Estrada de Los Caracoles”, contou Igor.

 

Divulgando, conhecendo...
O comboio passa, chama a atenção e ganha aplausos. “Vamos passando e colhendo elogios e aplausos pela excentricidade dos carros que não foram comercializados nesses países. Temos a finalidade, também, de promover nosso encontro de carros antigos em novembro, dias 9 e 10, no Gran Palazzo, com a expectativa de receber mais de 10 mil visitantes onde os veículos também estarão expostos. Para isso estamos levando o convite aos antigomobilistas dessa parte do continente”. Enquanto isso, os representantes do ACVA conhecem novos lugares e, é claro, também reverenciam Bacchus. “Aqui em Santiago visitamos a bodega do Casillero del Diablo. Estamos a caminho de Viña del Mar e Valparaíso”, contou Loss. Mas a aventura continua. “Amanhã (quarta-feira) iremos ao Vale Nevado. No outro dia começa nosso regresso e, com a graça de Deus, continuaremos sem nenhum contratempo”, completou.

Gostou? Compartilhe