Debatendo audiovisual e história

Evento promovido pelo curso de História da Universidade de Passo Fundo discute os recursos do cinema enquanto estratégia didática

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O curso de História da Universidade de Passo Fundo (UPF) promove a décima edição do evento “Ciclo de Cinema: o cinema revisto pela História”, de 23 a 25 de abril, a partir das 19h30min, no auditório do Centro de Educação e Tecnologia. Ao longo dos três dias, três filmes serão exibidos e, em sequência, debatidos com a presença de professores convidados. As inscrições podem ser realizadas pela aba “Eventos”, no site da UPF, pelo valor de R$ 10 para quem deseja receber certificado de participação. Caso queira apenas assistir, sem certificado, a entrada é gratuita.

Segundo a coordenadora do evento, professora Jacqueline Ahlert, a proposta visa oferecer possibilidades de contextualização e análise comparada dos conteúdos para com as abordagens históricas representadas nas narrativas audiovisuais. “É um espaço para reflexão interdisciplinar acerca de temas relevantes às Ciências Humanas, especialmente a História e ao ensino de História, tendo como base as representações apresentadas em narrativas fílmicas e o debate de cada película”.

 

A culpa é do Fidel

Na segunda-feira (23), o filme exibido é “A culpa é do Fidel”. O professor de História da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Diego Dal Bosco Almeida é o debatedor. Neste longa-metragem de drama, dirigido por Julie Gavras, é contada a história de Anna de la Mesa, uma menina de nove anos, que mora em Paris e leva uma vida regrada e tranquila. O ano é 1970 e a prisão e morte do seu tio espanhol, um comunista convicto, balança a família. Ao voltar de uma viagem ao Chile, logo após a eleição de Salvador Allende, os pais de Anna estão diferentes e a vida familiar muda por completo: engajamento político, mudança para um apartamento menor, trocas constantes de babás, visitas inesperadas de amigos estranhos e barbudos. Assustada com essa nova realidade, Anna resiste à sua maneira. Aos poucos, porém, realiza uma nova compreensão do mundo.

O Banheiro do Papa

Na terça-feira (24), a professora de História da UPF Jacqueline Ahlert debate “O Banheiro do Papa”. O filme de comédia dramática se passa na cidade de Melo, na fronteira entre o Brasil e o Uruguai. O local está agitado, devido à visita em breve do Papa. Milhares de pessoas irão à cidade, o que anima a população local, que vê o evento como uma oportunidade para vender comida, bebida, bandeirinhas de papel, souvenires e os mais diversos badulaques. Beto, um contrabandista, decide criar o Banheiro do Papa, onde as pessoas poderão se aliviar durante o evento. Mas para torná-lo realidade ele terá que realizar longas e arriscadas viagens até a fronteira, além de enfrentar sua esposa Carmen e o descontentamento de Silvia, sua filha, que sonha em ser radialista. O filme é dirigido por Enrique Fernandes e Cesar Charlone.

Com amor, Van Gogh

Na quarta-feira (25), é a vez da professora de História da UPF Gizele Zanotto debater o filme “Com amor, Van Gogh”. Lançado no ano passado, este longa-metragem biográfico de gênero animação é dirigido por Dorota Kobiela e Hugh Welchman. A história se passa um ano após o suicídio de Vincent Van Gogh, quando Armand Roulin encontra uma carta por ele enviada ao irmão Theo, que jamais chegou ao seu destino. Após conversar com o pai, Armand é incentivado a entregar ele mesmo a correspondência. Desta forma, ele parte para a cidade francesa de Arles na esperança de encontrar algum contato com a família do pintor falecido. Lá, inicia uma investigação junto às pessoas que conheceram Van Gogh, no intuito de decifrar se ele realmente se matou.

Gostou? Compartilhe