Um ano para relembrar

2015 acabou: entre a despedida da Jornada Nacional de Literatura, a estreia de filmes aguardados por décadas, a festa do teatro local e o sucesso das bandas passo-fundenses a cultura encerra o ano com saldo positivo em todas as áreas. O Segundo Caderno pediu a ajuda (e a lembrança) de quem entende. Que tal voltar no tempo?

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Literatura
“O ano de 2015 será para sempre marcado como o ano em que a Jornada Literária de Passo Fundo não foi realizada. A notícia foi tão impactante que está nos fatos negativos da retrospectiva literária do ano em jornais, revistas e sites literários do estado e do país. A alegada “crise econômica” foi a mesma razão usada para que o governo federal cancelasse a compra de livros pelo PNBE (Plano Nacional de Bibliotecas Escolares) e para que o governo estadual não realizasse nenhum encontro do Autor Presente, projeto de leitura e literatura nas escolas com mais de 20 anos. Contudo, de algum modo, a Capital da Literatura resistiu em sua vocação literária inquebrantável com importantes realizações durante o ano. Aconteceram as “Segundas da Afetividade”, logo depois transformadas em “Quintas Poéticas”. Um espaço para a literatura e a poesia, aberto ao público. A poesia fervilha como a vida na Rua Independência. Na metade do ano, a Secretaria de Cultura chamou os escritores locais para elaboração de um edital de premiação da literatura produzida na cidade. O prêmio, já encaminhado como projeto de lei para aprovação, terá sua primeira edição em 2016 e reconhecerá a melhor narrativa, crônica, poesia e literatura infantil. As melhores obras em cada categoria receberão um valor em dinheiro e serão adquiridas pela Secretaria de Educação para leitura nas escolas. Uma grande conquista. Embora com minha opinião pessoal discordante, a Feira do Livro de Passo Fundo aconteceu em um espaço novo, ao abrigo das intempéries e insegurança, que tanto preocupava os livreiros da cidade. Mesmo que eu não ache um shopping o melhor lugar para a literatura – e que feira deve ser nas ruas e nas praças-, ante a insatisfação dos comerciantes do centro e considerando os vendavais e roubos acontecidos, tendo em vista, ainda, o espaço climatizado e com estacionamento, o novo espaço da Feira do Livro venceu em vantagens sobre as desvantagens. A biblioteca do SESC Passo Fundo abriu suas portas para trazer à cidade momentos de literatura. Destaque para o curso de Literatura Inglesa Escrita por Mulheres, ministrado pelo escritor Gustavo Czekster. A cidade teve, durante este ano, duas oficinas literárias que contou com a participação e aprimoramento dos escritores locais: com a escritora Leticia Wierzchowski em junho e com o escritor Roberto Frizero, em novembro, durante a Feira do Livro. O ano, ainda, se desenvolveu com vários lançamentos de escritores da cidade em todos os gêneros: literatura infantil, poesia, crônica, conto e romance. Destaco, pela sua originalidade, o livro Valdrada por trazer, pela primeira vez, textos do grupo chamado “Sociedade dos Poetas Vivos”, escritores da cidade que buscam qualificação e aperfeiçoamento técnico. O ano encerrou com a posse dos novos membros da Academia Passo-fundense de Letras, todos autores de textos literários. Somos a Capital Nacional e Estadual da Literatura. E este ano fizemos muito para honrar este título.”
Por Pablo Morenno, escritor

Teatro
“Dando uma pausa nesse ano de intensa movimentação é possível ver que foi um ano positivo, com importantes realizações como o restauro do Teatro Municipal Múcio de Castro que, após sua inauguração, seguiu com uma intensa produção acolhendo espetáculos teatrais e shows musicais. Agora temos um espaço público adequado para desenvolvermos nossa arte. Mostrando a força da produção cênica, tivemos importantes eventos como a 3° Edição do Passo Fundo Em Cena, uma mostra teatral que valorizou os atores e grupo locais. O Sesc, mais uma vez, foi um grande incentivador de nossa cultura e promoveu a 5° Mostra Sesc de Teatro, com intervenções urbanas e espetáculos nacionais, proporcionando ao público o que de melhor está sendo produzido no país e contribuindo para a formação de plateia. Além disso, os grupos locais rodaram com seus espetáculos de repertório em diversas cidades do Rio Grande do Sul e de outros estados brasileiros. Nossa cidade contou, ainda, com a filmagem de um longa metragem nacional, que teve o apoio de artistas locais no elenco e figuração. Dessa forma, terminamos esse ano com a cabeça erguida, projetando um 2016 de muita arte e cultura. E que o teatro continue nos transformando”
Por Edimar Alexandre Rezende, Presidente Conselho Municipal de Cultura e ator e pesquisador do Grupo de Teatro Timbre de Galo

Cinema
“2015 pode ser considerado um ano de revival no cinema, não em termos de temas, mas em termos de técnica. O maior exemplo disso é o grande hype em torno de “Mad Max - Estrada da Fúria”, indicado ao Globo de Ouro de melhor drama (!!!!) e bem cotado para o Oscar. É um filmaço, mas mostra sobretudo como a safra americana tem sido fraca no terreno do drama. O que indica o sucesso do filme, também? George Miller, aos 70 anos, ignorou a tendência a usar CGI e efeitos visuais em excesso e usou os velhos e bons dublês e explosões em set. Quem seguiu o mesmo caminho, reforçando a tendência de se apoiar em efeitos mecânicos e menos CGI, foi JJ Abrams, que fez com que o sétimo Star Wars finalmente honrasse a memória e a nostalgia dos fãs da trilogia original e deve ultrapassar na bilheteria do ano os dinossauros de “Jurassic World”, que prestou uma homenagem fazendo várias referências ao primeiro filme (como aliás o novo Star Wars faz com o episódio IV). O ano também marcou a entrada da Netflix no terreno dos longas, com o elogiado “Beasts of no Nation”, e a consolidação da ponte entre os longas da Marvel e séries da Netflix habitando o mesmo universo, com as estreias de “Demolidor” e “Jessica Jones”. O Brasil viu, finalmente, surgir “Chatô - o Rei do Brasil”, depois de 15 anos de produção, e consternou-se com a ausência do excepcional “Que Horas ela Volta?” da lista de pré-indicados ao Oscar (de todos os indicados dos últimos anos, é o que mais merecia estar lá). Por fim, se grandes cineastas como Woody Allen e Tim Burton decepcionaram, novos diretores como J.C. Chandor (O ano mais violento) e Dennis Villeneuve ( Sicário) consolidam-se como nomes afirmados entre os grandes cineastas da atualidade.”
Por Fábio Rockenbach, professor da UPF e especialista em cinema

Música
“O ano passou voando e apesar das dificuldades, Passo Fundo tem cada vez mais reconhecido a importância e necessidade da valorização da cultura, tendo o privilegio de presenciar inúmeras atitudes em prol de uma forte cena cultural aqui em nossa cidade. Neste ano, tivemos a 2ª Edição do Música na Praça e também o I Festival de Música do Passo, organizado pela APMC (Associção Passo-fundense de Músicos e Compositores), que trouxe à tona várias peças de ótima qualidade e todas produzidas aqui nesta cidade. Houve também diversos lançamentos de artistas locais como o DVD do grande músico Jonathas Ferreira, o lançamento do clipe e single “Polegar Solitário” da jovem Los Marias, o lançamento do álbum “Cosmo a Olho Nu” da banda Reino Eletrón, e dos singles “Sonhos” da Roudini e os Impostores e “Vai ter que Confiar” da General Bonimores. Foi um ano muito produtivo para o cenário musical passo-fundense. Vale lembrar que muitos shows aconteceram por aqui, entre eles os de nomes como Zé Ramalho, Kleiton e Kledir, Júpiter Maçã, Yamandu Costa, Beto Bruno e muitos outros. Porém o evento mais marcante com toda certeza foi o “Um Olhar para o Theo”, evento que reuniu mais de 40 músicos gaúchos para ajudar o garoto Theo.Que os ventos do norte nos tragam em 2016 ainda mais música, cultura e entretenimento. Temos uma longa caminhada pela frente, mas estamos no caminho certo. Let’s Rock!”
Por Ihago Jury, integrante da banda Los Marias

Além disso...
O ano foi movimentado em todos os setores da cultura. Da música às letras, teve oportunidade para todo mundo curtir um pouco daquilo que gosta ou prefere. E além de tudo isso que está nesta página, a cultura pode ser apresentada, também, em números: no Teatro Múcio de Castro foram 86 apresentações desde a sua ianuguração, em maio. Com o Sesc, cerca de 87 mil pessoas foram atendidas em Passo Fundo e região. Foram 127 ações de teatro, 60 espetáculos musicais, 11 apresentações de dança, 47 exibições de filmes, 15 intervenções literárias e 30 exposições ou mostras didáticas. Além disso, outras 65 ações de oficinas e palestras foram oportunizadas para a comunidade. E teve também o Música na Praça, o Livro do Mês, lançamentos de discos e livros, tributos e shows espalhados pela cidade. Pra quem gosta, 2015 foi um prato cheio. Que venha 2016. Estamos ansiosos!

Gostou? Compartilhe