Dia Nacional do Samba deve ser celebrado com atividades temáticas

Em Passo Fundo, uma programação vai trazer vários grupos musicais, dança, história, capoeira, escolas de samba, comida de boteco e também religiosidade

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Dia Nacional do Samba acontece nesta segunda-feira (2). Em Passo Fundo, uma programação vai trazer vários grupos musicais, dança, história, capoeira, escolas de samba, comida de boteco e também religiosidade. A programação começa a partir das 18h, na Arena Instituto Histórico, no Espaço Roseli Doleski Pretto.

A Escola de Atores abre o evento com a performance Raíz do Samba, com batuque e poesias dos sambas de morro lá do século passado. Depois, todas as linguagens que envolvem o samba se sucedem no palco com Edu Costa e Odorico, Seu Lopes e Banda, Grupo Alforria, Grupo Sambah, grupo de percussão Chimarrão com Tapioca da UPF, Ghedi do Bandolin, Alfredo Castaman de MPB e Samba, Ricardo Pacheco, Tom do Trombone, Abadá Capoeira e Grupo Folclórico da UPF, além da participação especial de Escolas de Dança e Liga das Escolas de Samba de Passo Fundo.

Esta é uma iniciativa da Prefeitura de Passo Fundo, dos museus Histórico Regional e Ruth Schneider, do Instituto Histórico, da Academia de Letras e do Grupo Alforria. “Há cinco anos o músico e ativista Odorico Ribeiro, com o Grupo Alforria, iniciou essa mobilização junto aos museus e foi ganhando novas parcerias. Este ano chega forte porque estamos agregando outras linguagens, somando com outras parcerias importantes porque acreditamos que o samba serve como um vetor de estímulo a uma cultura que está enraizada na nossa história. Não é apenas a música:  é história, é dança, é poesia”, destaca o secretário de Cultura Henrique Fonseca;

O acesso é livre ao espaço Roseli Doleski Pretto, que fica entre os prédios dos museus e do Teatro Municipal Múcio de Castro, na avenida Brasil.

Gostou? Compartilhe