Em nome da hospitalidade

Em acolhedora noite de lançamento, Ivaldino Tasca recebe prestígio de amigos e leitores pelo livro Passo Fundo ?EUR" Crônica sobre uma querência hospitaleira

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Segundo ON

    Se hospitalidade é acolher com amabilidade e sincero prazer, não houve anfitrião mais hospitaleiro que Ivaldino Tasca na noite do lançamento de seu livro Passo Fundo – Crônica sobre uma querência hospitaleira, realizado na última sexta-feira, 22, na Nobel Livraria. Recebendo amigos e leitores de longa data, o jornalista aproveitou a ocasião para autografar a obra e apresentar seu talentoso parceiro de projeto, o jovem ilustrador Irani Albuquerque Ruas. “Quando escrevi essa história, pensei em complementá-la com desenhos por se tratar de um texto curto. Entreguei o material a ele e dei total liberdade para que criasse em cima disso, não interferi em nada. E vejo que conseguimos um resultado excelente”, explica Tasca, que criou uma linguagem acessível a todas as idades com sua narrativa fácil e ao mesmo tempo bem elaborada.

    Sobre o que o levou a escrever a obra, que se situa nos primórdios da história de Passo Fundo e acompanha a vida de duas jovens de incrível força e coragem, ele explica que sentiu vontade de falar de um aspecto positivo do município. “Há muito de subjetivo quando você começa a escrever alguma coisa. Quando fiz esse texto, fiz pensando em pessoas que são obrigadas a trocar de cidade. Nesse raciocínio, acabei chegando a uma conclusão bem singela: em algum momento todos nós somos estrangeiros em algum lugar, pois alguém chegou primeiro e assim por diante. E a questão, foi ou não foi bem recebido?”, conta. “Eu tenho uma relação muito boa com Passo Fundo, vim de Palmeira para cá numa situação difícil, é sempre difícil mudar. Logo me dei conta de que nunca havia dito isso a Passo Fundo, e é muito comum não ressaltarmos os aspectos positivos, a gente tem achado piegas falar do que é bom. Passo Fundo é uma cidade com muitos problemas, mas sinto que tem algumas coisas diferentes, muito boas por aqui”, explica Tasca, que ao longo do livro cria uma pequena lenda sobre a hospitalidade.

    Para isso, utilizou da própria imaginação e de seu senso de realidade conquistado nos muitos anos como repórter e cronista. “Tentei demonstrar isso de uma forma que traga a realidade, pois nossa vida é feita de problemas, de sofrimento, somos permanentemente obrigados a superar obstáculos, e é em cima deles que temos de construir nossa trajetória”, observa. “Eles podem nos levar a um estado de eterna raiva, de rancor, ou nos ensinar algo e mostrar a melhor maneira de viver”, define o autor. Sobre a atmosfera de lenda que acompanha as 55 páginas do livro, explica: “A história vem da minha imaginação. Todas as lendas não passam de uma história imaginada, mas elas se tornam lenda depois de muito tempo. O Rio Grande do Sul é fantasticamente povoado de lendas lindíssimas, e eu estou fazendo esse exercício de criar as minhas”, resume. Passo Fundo – Crônica sobre uma querência hospitaleira é uma publicação da Aldeia Sul Editora e Gráfica Berthier.

Gostou? Compartilhe