Felicidade foi-se embora

Se estivesse vivo, Lupicínio Rodrigues completaria 100 anos na próxima terça-feira

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando morreu, Lupicínio Rodrigues parece ter aberto as portas para que a felicidade de quem o admirava fosse embora e deixasse em seu lugar uma saudade que insiste em fazer morada. Fez da sua vida a inspiração para canções que até hoje são consideradas verdadeiras obras da música brasileira. Na próxima terça-feira, 16, o gaúcho de Porto Alegre completaria 100 anos se estivesse vivo. O compositor faleceu em na cidade em que nasceu, aos 59 anos, com problemas no coração. As melodias e acordas que entoou, no entanto, permanecem vivas.

Lupicínio nasceu na Cidade Baixa e fez de Porto Alegre seu berço e seu recanto. E, lá, se dedicou, desde cedo, a marchinhas de carnaval e samba e fazia dos seus sentimentos a sua inspiração. Se entregou à vida e à música: cada nova melodia era carregada de intensidade e, constantemente, de melancolia por um amor que se perdeu. Seus relacionamentos davam certo por pouco tempo e as mesas de bar tornaram-se companheiras. Foi a partir delas que o compositor inventou o termo “dor-de-cotovelo” se referindo àqueles que, como ele, cravavam os cotovelos em um balcão ou mesa de bar, pediam um uísque duplo, e choravam pela perda da pessoa amada. Para Lupicínio Rodrigues, amor e mágoa andavam de mãos dadas.

Lupicínio se entregou a boêmia desde cedo: entre bebidas e serenatas, aos 14 anos compôs Carnaval, sua primeira música. O sucesso veio mais tarde, em 1938, com Se Acaso Você Chegasse que revelou, também, a voz de Ciro Monteiro. Dali em diante, diferentes vozes entoaram os sucessos de Lupicínio: Francisco Alves com Nervos de Aço; Orlando Silva com Brasa; o conjunto Quitandinha Serenaders com Felicidade - que lhe rendeu projeção nacional -; Linda Batista com Vingança, talvez o maior sucesso do compositor. A paixão pelo Grêmio o motivou a unir futebol e música quando, em 1953, compôs o hino do time, cantado com orgulho ainda hoje nos estádios de futebol.

Com voz macia e temperamento calmo, Lupi deixou músicas que foram regravadas e músicas que esperam o seu resgate. Escreveu aquilo que viveu, da forma que viveu: despreocupado, sem compromisso comercial, vivendo a experiência de ser aquilo que se quer no lugar que se quer, sem ver o tempo passar, mas registrando, em forma de musica, cada novo passo.

Gostou? Compartilhe