Literatura como farol de transformação

33ª Feira do Livro de Passo Fundo já recebeu mais de duas mil pessoas nos primeiros dias de programação

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nos dicionários de língua portuguesa, o termo “leitura” é definido, puramente, como o ato ou efeito de ler. Nas românticas definições informais, por outro lado, há quem explique seu significado comparando a abertura de um livro com o abrir das portas da imaginação. Para o patrono da 33ª Feira do Livro de Passo Fundo, Pablo Morenno, o significado vai bem além disso. “O livro tem o papel de iluminar, como o próprio farol, a vida e o mundo para que possamos compreender melhor a nós mesmos e ao universo como um todo. Hoje, vivemos tempos em que precisamos ler mais que o livro. Precisamos ler o mundo, a realidade, sistematizar dados e interpretar situações completas”, resume. As palavras de Morenno dão conta de explicar o motivo pelo qual, neste ano, a atividade leva como tema “Livro: Farol de Transformação”. Aberta ao público desde a última sexta-feira (1º), a Feira do Livro já recebeu mais de duas mil pessoas em sua lona, no estacionamento aberto do Passo Fundo Shopping. A programação segue até o dia 10 deste mês, das 9 às 21h, com entrada gratuita.

Editor e escritor de literatura infantil, infanto-juvenil e adulta, Pablo Morenno coleciona na bagagem 12 livros publicados, diversos prêmios literários e mais de 20 patronatos de feiras do livro no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Essa é a primeira vez, porém, que ele é homenageado como patrono na feira passo-fundense. “Ser patrono aqui, na cidade onde eu vivo, é um sinal de que estou no caminho certo. É o auge do reconhecimento pelo trabalho que, há 17 anos, tenho feito na literatura infantil e juvenil. A literatura mexe com as pessoas e promove emoções. Receber o carinho dos leitores está sendo uma experiência muito feliz”, comenta o autor.

O tom de gratidão expresso nas palavras de Pablo Morenno é acompanhado, também, por uma carga de resistência. Assim como destacou o vice-prefeito de Passo Fundo, João Pedro Nunes, em discurso durante a abertura oficial, a atual edição do evento é um ato de “superação”. Principalmente diante de um cenário de massivos cortes nas verbas destinadas à cultura, em todo o país. “Por lei, somos a Capital Estadual e Nacional da Literatura. Mas uma lei não muda o comportamento das pessoas. É preciso que a gente fomente eventos literários e, consequentemente, o hábito da leitura. Passo Fundo já perdeu, neste ano, a Jornada de Literatura. A realização da Feira do Livro também não foi fácil. Os livreiros e a Secretaria de Cultura precisaram trabalhar muito para conseguir a captação de recursos. Felizmente conseguimos. Que capital seria essa em que a Jornada não acontece e a feira também não? O que sobra para a gente?”, questiona Morenno.

 

Programação literária

A programação segue intensa até o próximo domingo. Nesta terça-feira (5), entre as atrações, estão previstas, às 9h e às 13h30min, contações de histórias; às 9h30min e às 14h, bate-papo com o autor Cesar Obeid; além de apresentações artísticas de instituições de ensino da região, entre as 15h e as 19h30min. Na quarta, a feira segue com contações de histórias às 9h e às 13h30min; bate-papo com a autora Eleonora Medeiros, às 9h30min e às 14h; apresentações artísticas escolares às 15h, 15h30min, 16h e 17h; e, por fim, um bate-papo e mesa redonda às 18h30min, com os autores Elaine Maritza da Silveira, Eliandro Rocha e Pablo Morenno, com o tema “Literatura para a infância: temas proibidos e censura”.

O patrono da 33ª Feira do Livro destaca a importância da mesa-redonda prevista para acontecer nesta quarta-feira. De acordo com ele, a atividade é uma chance enriquecedora de reflexão para a comunidade. “É um assunto muito importante, principalmente agora que estamos voltando a debater a censura em ambiente escolar. Temos vistos exemplos de várias tentativas de censurar livros que não tratem temas bonitinhos, como se a vida fosse um mar de rosas e não existisse dor, perda e questões sobre sexualidade”. O restante da programação pode ser conferido nas redes sociais do evento.

 

Prêmio Literário Cidade de Passo Fundo

O anúncio dos vencedores do Prêmio Literário Cidade de Passo Fundo também integrou a programação da Feira do Livro, no último domingo. A segunda edição do prêmio destinou um prêmio de R$ 5.000 para cada uma das quatro categorias: conto, poesia, crônica e romance. A seleção das obras ficou sob a responsabilidade da coordenação das Jornadas Literárias: Fabiane Verardi Burlamaque, Miguel Rettenmaier e equipe que avaliaram os 21 inscritos ao prêmio. Todas as obras que passaram pelo processo de seleção, tiveram avaliados diversos critérios, tais como originalidade, técnica narrativa e desenvolvimento da ação, construção das personagens, estilo e estrutura e domínio do idioma e inventividade. O escritor Pablo Morenno, vencedor na categoria Poesia, ressaltou o reconhecimento aos gestores públicos de Passo Fundo e destacou a importância de incentivar a produção literária. “Esse prêmio nasceu de um desejo de escritores da cidade. É um movimento que viemos fazendo para consolidar a literatura em Passo Fundo. Não basta consumirmos muitos livros. A gente precisa incentivar a produção local e levá-la para todo o Brasil”.

 

Romance

1º lugar: A Última Rosa do Verão, de Letícia Copatti Dogenski

Poesia

1º lugar: Alfabeto Poético dos Nomes, de José Antônio Machado e Pablo Morenno – ilustrações de Simone Matias

Conto

1º lugar: Três Finais de um Jacaré, de Christian David – ilustrações de Laura Castilhos

Crônica

1º lugar: A Cerimônia da Lamparina, de Agostinho Both

Gostou? Compartilhe