Memórias de um homem

Arquivo Histórico Regional promove, nesta quinta-feira a conferência ?EURoeNicolau Araújo Vergueiro: Memória Política?EUR?

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

São, ao todo, 3,5 mil títulos doados pelo médico e político Nicolau Araújo Vergueiro. Todos eles disponíveis ao leitor e à comunidade da cidade. São cartas, livros, objetos e memórias de um homem que ajudou a construir Passo Fundo. Dentro do calendário de inauguração – que acontece desde maio -, o Arquivo Histórico Regional promove, nesta quinta-feira a conferência “Nicolau Araújo Vergueiro: Memória Política” ministrada pela Profa. Ms. Ana Maria Rosa Prates. Além das palavras da Academia, o público poderá encontrar-se, também, com a própria memória: a Sala Acervos Privados – Fundo Nicolau Araújo Vergueiro estará disponível para visitação antes da conferência. Entre a teoria da História e a prática da memória, o próprio homem.

Doado em 2011, o ambiente da biblioteca, com objetos pessoais e móveis, de um dos personagens mais importantes do município, no início do século XX, foi refeito e transferido da casa da família para a Sala do Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo, no Campus III da UPF.

Em 1956 a morte chegou para Nicolau. Além de dar nome às ruas, o homem deixou um pedido: esperar ao menos 50 anos antes da publicação e divulgação do acervo. O motivo, acredita-se, talvez seja a preservação de nomes e situações citadas nas memórias que preenchem oito volumes reunidos no ano de 35. Entre política e cidadania, Nicolau colocou nas páginas a história não apenas de uma vida, mas de uma cidade, de um estado e de um país.

Antes de inaugurar a sala, o Arquivo Histórico trabalhou cerca de nove meses. Além do interesse pelos mais variados assuntos, Vergueiro guardava anotações, recortes de jornais e revistas – tudo entre as páginas de livros. Detalhista, soube registrar – nos objetos, na caligrafia, no cheiro – a história de se espalhava em frente aos olhos.

Além de todo o acervo intelectual, a Sala foi montada, também, com uma série de móveis e objetos pessoas de Nicolau Araújo Vergueiro. O próprio escritório, ali, refeito: desde a luz até a máquina que ajudou Nicolau a expressar tudo o que fora capaz de viver.

Gostou? Compartilhe