No ritmo da dança

11ª edição do Passodança aconteceu no final de semana e reuniu mais de 500 bailarinos de 12 cidades da região

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ritmo, movimento e um sentimento. Para quem pratica, a dança é muito mais do que uma atividade física, é uma forma de expressar e encantar quem tem o prazer de assistir. Durante três dias Passo Fundo foi palco para os mais diversos ritmos e estilos de dança. A 11ª edição do Passodança iniciou na sexta-feira, 05, e seguiu durante o sábado, 06, e o domingo, 07. O evento que é bianual movimentou a cidade com mostras competitivas que reuniram mais de 500 bailarinos de 12 municípios e oficinas abertas à comunidade.

Segundo a presidente da Associação Passo-fundense de Dança, Raquel Pereira, o objetivo de eventos como o Passodança é popularizar a arte da dança e torná-la acessível a todas as camadas sociais. “A dança hoje é um dos itens de qualidade de vida e como tal ela é importante para as pessoas. Só depois que as pessoas estão envolvidas com a dança é que elas sabem dimensionar o quanto faz bem. Por isso nós temos que criar oportunidades para que as pessoas possam se envolver com a dança e poder sentir o que ela traz de bom.”, comenta.

Quem participou do evento também concorda com a professora. Henrique Vivan veio da cidade de Casca. O estudante começou na dança por influência de amigos que já dançavam há algum tempo. Para ele, a dança proporciona um tipo de experiência totalmente diferente de qualquer outro tipo de atividade. “É um momento em que podemos esquecer os problemas e fazer apenas algo que gostamos”, explica. Henrique acredita que o Passodança é muito importante, não apenas para divulgar o trabalho dos grupos, mas também para que a população tenha mais acesso a cultura da dança que, segundo ele, ainda não é tão valorizada.

Já Isadora Sbeghen vê o Passodança como uma forma de se aprimorar. A jovem tem 18 anos e dança desde os 2. “Danço ballet, dança de salão, jazz, dança do ventre e tudo que possa imaginar”, brinca entre uma pausa na oficina de Festa Mix. Apesar da pouca idade, Isadora já é professora de dança e acredita que aprender a metodologia de outros professores ajuda a fazer com os seus alunos cresçam cada vez mais.

O encerramento aconteceu no domingo, com a entrega dos alimentos arrecadados durante o evento às entidades assistenciais do município e a premiação das mostras competitivas.

Gostou? Compartilhe