O fim da era MTV!

Acabou. Os últimos suspiros da rede MTV aconteceram nos primeiros minutos desta sexta-feira. Agora, fica a nostalgia de um canal que fez história na televisão brasileira

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em 20 de outubro de 2000, Astrid Fontanelle abriu as portas da MTV. Com o clipe de Garota de Ipanema, interpretada por Marina Lima, o Brasil conhecia o canal que, nos próximos anos, seria um ícone de música, liberdade de expressão e de conteúdo de qualidade. Na madrugada de quinta para sexta-feira, foi ela, Astrid, quem fechou as portas. A MTV Brasil deixou de existir oficialmente e, a partir de outubro, se torna um canal pago.

A noite de quinta-feira foi o exato retrato da nostalgia. Um prédio lotado de câmeras recebeu os VJ’s e artistas que construíram a história do canal e da própria carreira. Em uma programação que iniciou às 18h e se estendeu até a primeira hora de sexta-feira, a festa de despedida mergulhou pelos 23 anos de história do canal através do programa My MTV. O acervo da emissora foi completamente aberto e qualquer um que estava no prédio, naquela noite, podia rever o programa, clipe ou comercial que desejasse.

A experiência de rever aspectos importantes da sociedade e da história brasileira pelo viés da MTV permitiu comprovar que, de fato, o canal foi corajoso: lançou bandas que, mais tarde, virariam febre; abriu espaço para gente desconhecida, fez piada do governo e da política, falou de sexo e de homossexualismo - transmitiu o primeiro beijo gay da TV aberta. Em que universo um “canal que só reproduz música” consegue interferir no cotidiano? A MTV conseguiu. E, mais que isso, foi capaz de se reinventar, a cada tombo, e se manter uma plataforma que oxigenou outras emissoras e que descobriu gente que hoje passeia pelo horário nobre. Entre o cult e o improviso, a MTV cresceu e, agora, se despede.

Sobre o perfil
Os 23 anos da emissora comportaram a construção de um perfil que se moldou através dos anos. No início, a MTV era a própria música. O formato pediu companhia e, logo, se achegaram o humor, os campeonatos de futebol e os programas sobre sexo.

 Ainda nos anos 90, por exemplo, Lado B trazia para a cena musical bandas alternativas que surgiam nas garagens, antes de descobrirem o Youtube. Na programação mais atual, o Lado B se transformou no Acesso MTV, apresentado por Titi Muller e Mari Moon. O esquema é o mesmo: apresentar a galera que faz sucesso, mas que o Brasil ainda não sabe. Além deles, o Disk MTV e o Top 10 MTV ditavam o que o telespectador deveria escutar - o canal jamais se rendeu ao funk e ao sertanejo e isso talvez explique um pouco da sua extinção.

Companheiro da música, o Rockgol transitou por todas as fases do canal. O campeonato acontecia entre as bandas e tinha a narração de Paulo Bonfá e Marco Bianchi. O programa foi, muito mais, uma proposta de encontro entre bandas do que um campeonato verdadeiro. O humor e a personalidade dos músicos foi o que segurou a programação no ar. 

Nos programas mais polêmicos, como Barraco MTV e Sem Vergonha, o que segurou o telespectador foi, justamente, poder entrar na vida do outro.Os Piores Clipes do Mundo, Garganta e Torcicolo, o famoso e tradicional Hermes e Renato. Os programas são característicos da MTV e conquistaram o público pela acidez. Nas fases mais atuais, 15 Minutos de Marcelo Adnet, Beija Sapo, de Daniele Ciccareli. Mas, mesmo com tantos nomes, o que tenha feito da MTV um canal confiável tenha sido três programações em especial: o VMB, o Acústico MTV e o Estúdio Coca-Cola.

VMB, Acústico MTV, Estúdio Coca Cola

No VMB, a emoção sempre falou mais alto. Unir Barão Vermelho e Bezerra da Silva e colocar em foco o movimento Tropicália, três décadas depois do seu auge são exemplos da ousadia e inovação propostas pela premiação. A verdade sempre ficou  muito clara na tela da MTV: Caetano Veloso xingou a emissora ao vivo, Restart foi vaiado, Dercy Gonçalves enfileirou palavrões para João Gordo. Nada foi cortado, censurado ou tirado do ar.

Além da premiação, o Acústico MTV foi a grande jogada do canal. De Legião Urbana ao adeus de Sandy e Junior, a MTV explorou facetas diferentes dos artistas. O Acústico MTV celebrou o rock de Rita Lee, a suavidade de Renato cantando Hoje a Noite Não Tem Luar (“Ela não é bonitinha? Eu fico até emocionado!”),  o gingado de Art Popular. Além deles, o Rei, Roberto Carlos foi o nome do Acústico de 2000 - que traçou uma linha do tempo na carreira de Roberto e, ainda, fez com que músicas esquecidas no tempo voltassem a ser pedidas na rádio. E, em 2005, pela primeira vez, o Acústico foi gravado não por uma, mas por quatro bandas. Ultramen, Wander Wildner, Cachorro Grande e Bidê ou Balde tocaram 20 músicas que mostravam o Rio Grande do Sul.

Como se não bastassem os acústicos, a MTV passou a veicular, no último domingo do mês, entre 2007 e 2008, o Estúdio Coca-Cola. A proposta era unir dois artistas completamente diferentes e fazê-los inventar no palco. O programa mostrava a concepção das músicas, a produção do show e o espetáculo em si. Por causa da MTV, Marcelo D2 e Lenine tocaram juntos; Pitty e Negra Li; Nando Reis e Cachorro Grande. O hardcore se uniu ao axé com CPM 22 e Babado Novo. Chitãozinho e Xororó cantaram lado a lado com a banda Fresno. O último encontro foi entre Banda Calypso e Paralamas do Sucesso. O encontro ajudou a quebrar preconceitos da música que surgiam a cada ano.

Fim da fronteira

A MTV foi, ao longo do tempo, um território livre. Ousadia, coragem e irreverência marcaram o canal que fez parte da última e da atual geração. O porque do fim? Talvez seja por causa do perfil traçado e imutável, mas o motivo principal é, certamente, a chegada da internet. A programação que, no início, era novidade foi engolida pela instantaneidade do Youtube. Não houve mais o que reinventar. Fica a certeza de que a MTV manteve o espírito até o fim: riu de si mesma ao estreiar, em julho, “O Último Programa do Mundo” - um talk show que passeou pelo arquivo vergonhoso da MTV e tentou entender o porquê do fim de uma forma divertida e irônica.

Agora, as fronteiras que pouco delimitavam seu espaço somem e dão espaço a uma nova fase. Uma nova emissora surge. O canal segue exibindo uma programação especial já gravada até a próxima terça-feira e reestreia no dia 1º de outubro na televisão à cabo, com uma programação diferente.

Gostou? Compartilhe