O terror em arte traçada

HQ levou cerca de 10 anos para ser escrita e 3 para ser ilustrada

Por
· 2 min de leitura
Ilustração carrega o traço para ambientar os personagens e situações descritas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em uma cidadezinha, coisas estranhas começam a acontecer. Um pai busca pelo filho desaparecido, um padre confronta entidades malignas que apenas ele vê e crianças de um orfanato adoecem sem motivo aparente. O enredo introdutório é uma síntese do livro “Sacramento”, cuja obra levou 10 anos para ser escrita e três para ser ilustrada por dois autores, de Ibirubá e Passo Fundo, que buscam agora arrecadar fundos de financiamento para a impressão da novela gráfica.

O trabalho extenso, de quase uma década, foi idealizado pelo escritor Marcos Nogueira para ser uma ficção destinada ao público adulto por “conter cenas chocantes que podem ser ofensivas a algumas pessoas”, conforme consta na descrição do projeto literário na plataforma colaborativa Catarse. É por lá que as palavras do autor e as ilustrações do publicitário passo-fundense, Eduardo Leon de Camargo, podem se converter em 200 páginas de narrativa em preto e branco que conduzem o leitor à jornada de um pai, convencido do sequestro do filho por um fugitivo, em uma busca para recuperá-lo. “A tensão é de que um trabalho longo e exaustivo pode não ser financiado, nada é certo”, comenta Leon. “Esse dinheiro vai direto para o custeio de impressão e envio. E 13% fica com o próprio Catarse, se for financiado. Caso não conseguir, o dinheiro volta para o bolso de quem tentou ajudar no apoio”, explica ainda.

A HQ, dividida em introdução, capas, miolo e extras, tem um custo aproximado de R$ 15 mil reais para a tiragem inicial. A campanha iniciada por eles há 10 dias, no entanto, arrecadou 20% do total necessário para que a impressão em capa dura seja viabilizada. “São obras maduras, adultas, longe de parecerem algo infantil ou mesmo bobo. Há muito espaço para isso nessa área”, avalia ele sobre o formato da narrativa.

A história contada em traços

O universo de terror da história, a cada página, ganha feições humanas pelas mãos do ilustrador. Em traços escuros, Leon criou os personagens, cenários e ambientações detalhadas para que o leitor consiga ter uma experiência de imersão na narrativanessa que é a primeira obra do publicitário como quadrinista. “No nosso caso, havia um personagem, um caminhoneiro serial killer que capturava prostitutas na estrada. Só que eu sentia que deveria deixá-lo único, fazer alguma coisa pra transformá-lo numa espécie de personagem central no sentido visual nessa obra”, relata.

Embora o título do livro seja homônimo ao nome da cidade em que os acontecimentos se desenvolvem nos quadros, o espaço temporal e de localização territorial é suspenso ao longo de toda história, contribuindo para a interação imaginativa. “Cada um tem suas vontades e interesses. O desafio é aliar essa personalidade ao desenho, seja na própria aparência e postura, como também nos semblantes”, completa Leon.

Gostou? Compartilhe