Tragédias do pai do teatro

Passo Fundo recebe seis peças de ??squilo, em apresentações gratuitas. No palco, toda a intensidade da tragédia grega

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De um lado, um personagem. De outro, deuses, sentimentos ou destino. Entre eles, o conflito. A seriedade do drama ganha corpo, rosto e voz na tragédia grega. Seguindo o roteiro que explora a indecisão e contradição entre duas forças, o gênero é profundo e retrata, de forma clara, o sofrimento humano.

Ésquilo viveu por volta de 500 a.C e, por ser o mais antigo dos três trágicos gregos cujas peças sobreviveram ao tempo, é considerado o pai do teatro e da tragédia. De acordo com a história, é o autor de mais de noventa peças teatrais. De todas essas, sobrevivem apenas seis.  E todas elas serão apresentadas, a partir de quarta-feira, em Passo Fundo. O projeto Peep Classic Ésquilo, da Cia Club Noir, reúne todas as tragédias por autor em três dias: a cada dia, duas peças serão apresentadas. É a primeira vez no Brasil e no mundo que uma companhia teatral se dedica a apresentar todas as peças do primeiro autor da história do teatro.

O projeto, dirigido por dirigido por Roberto Alvim e assume uma estética diferente de qualquer proposta narrativa. As obras serão encenadas dentro de um cubo formado por linhas metálicas, sem trilha sonora alguma, explorando as inúmeras modulações e texturas das vozes dos atores, e tendo como iluminação apenas uma única lâmpada fluorescente, que delineia tenuemente a imobilidade das figuras em cena. A proposta é irreverente. Mais que isso, é um desafio.  “As tragédias são obras que propõe mergulhos emocionais de alta intensidade. Encarceramos estes gráficos vertiginosos de forças dentro de uma estrutura geométrica, como uma maneira de tensionar o espaço, justamente pela dissonância entre o que se passa dentro do cubo e a frieza da estrutura metálica. Quanto à trilha sonora, focamos o trabalho na voz dos atores e em sua capacidade de criar estranhas musicalidades”, explica o diretor.

Toda a escolha que a Cia faz exige mais do ator. Para Roberto, cada um corresponde entregando à peça o melhor de si: “A companhia Club Noir existe há 9 anos; os atores estão trabalhando juntos há muito tempo, e esse trabalho inclui um intenso treinamento diário, que visa justamente preparar os corpos, as vozes e as sensibilidades para exigências técnicas extraordinárias. Estas tragédias são a culminação de nossa proposta: sua instauração plena”, conclui.

 A primeira peça a ser apresentada, na quarta-feira, Sete Contra Tebas, conduz à escolha deliberada pela morte como forma de se irmanar ao medo do implacável. Retrata um exército comandado por sete guerreiros monstruosos tenta invadir e destruir a cidade de Tebas. Ainda na primeira noite, Os Persas, aborda o dilaceramento pela guerra de toda uma civilização através da aniquilação do império persa pelos gregos.

A segunda noite traz a obra Orestéia que é, na verdade, uma trilogia composta pelas tragédias: Agamêmnon; As Coéforas; e As Eumênides, e é a obra final de Ésquilo. Será apresentada em duas partes. Orestéia I mostra o rei Agamêmnon em seu retorno de Tróia, após ter vencido a guerra, assassinado por sua esposa, Clitemnestra. A segunda parte, Orestéia II, traz Orestes, filho de Agamêmnon e Clitemnestra, que volta a casa para vingar a morte de seu pai, assassinando a própria mãe. Em seguida, sentindo a loucura se aproximar, foge.

Na terceira e última noite, a peça As Suplicantes, primeira que se tem registro em toda a história do teatro, proporciona a experiência do dilaceramento de indivíduos pelos turbilhões incontroláveis das pulsões. Aqui, um grupo de mulheres, fugindo desesperadamente de um grupo de homens que querem desposá-las, buscam refúgio em um país estrangeiro. Por fim, encerrando a noite e o projeto, Prometeu, aborda a história de um deus. Por dar o fogo aos homens, o deus Prometeu é acorrentado por outros deuses ao cume de uma montanha, onde deverá permanecer preso por toda a eternidade.

Quarta-feira, 20h
“Sete contra Tebas” e “Os Persas”
Duração: 50m
Faixa etária indicada: 18 anos

Quinta-feira, 20h
“Orestéia I” e “Orestéia II”  
Duração: 50m
Faixa etária indicada: 18 anos

Sexta-feira, 20h
“As Suplicantes” e “Prometeu”
Duração: 50m
Faixa etária indicada: 18 anos

Gostou? Compartilhe