A arte da dança

XIII Festival Internacional de Folclore: Estúdio de Dança e Arte Expressões, da Bolívia, confirma presença e chega a Passo Fundo em agosto

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Cor, ritmo, tradição e uma forte característica latina. Assim, sem jamais esquecer um passado construído por indígenas, a Bolívia vive o presente, almeja o futuro e apresenta, pouco a pouco, sua cultura ao mundo. Antes da colonização europeia, o país, localizado no centro-oeste da América do Sul, era parte do Império Inca - o maior império da era pré-colombiana - e é justamente dele que nasce a essência de sua cultura. Com economia fortemente baseada na agricultura, mineração e pesca, o país é multiétnico: ameríndios, mestiços, europeus, asiáticos e africanos dividem o mesmo espaço, a mesma tradição e a mesma cultura. Entre suas maiores cidades está Cochabamba: com clima considerado perfeito por quem vive lá, o município vive a cultura através de desfiles, danças e apresentações artísticas. É de lá que vem o representante boliviano no XIII Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo: Estúdio de Dança e Arte Expressões – EDAE – confirmou presença no palco do Festival e apresenta, por aqui, a arte, dança e as expressões de um povo cuja diversidade é a principal característica.

Arte e expressão
A diversidade do território boliviano se reflete, também, em suas tradições: aliando a arte pré-inca, espanhola, amazônica e africana, a cultura é inspirada pelo frio dos Andes que contrasta com o colorido que provocam as terras temperadas de Tarija. Os instrumentos, quase sempre feitos pelas mãos dos índios, produzem sons únicos que ditam o ritmo da arte. O Estúdio de Dança e Arte Expressões, dirigido por Mauricio Gustavo Fernández García, tem oito anos de trabalho e nasceu com o intuito de preservar toda a tradição boliviana e, especialmente, de fazer com que jovens pudessem, também, se apaixonar pela tradição do país. Em seu corpo de professores, tem pessoas ligadas a arte da dança popular e tradicional da Bolívia - são dançarinos com técnica e interpretação que carregam, no olhar, no sorriso e nas roupas, a originalidade boliviana.

Missão e visão
Além daquilo que é apresentado no palco, o trabalho do Estúdio é alicerçado na busca por trabalhar a arte popular do país e, ao mesmo tempo, na formação cultural dos bailarinos que optam por mergulhar no universo da tradição boliviana. Para a EDAE, é importante mostrar aos alunos e ao público que a dança não tem qualquer limite. Acima de qualquer teoria, a EDAE busca incutir, no público e nos artistas, a força e a paixão pela dança, valores que, para o Estúdio, são capazes de levar a tradição e cultura a qualquer parte do mundo em poucos minutos. Basta dançar.

Gostou? Compartilhe