A Árvore da Vida

Grande vencedor do Festival de Cannes, filme de Terrence Malick com Brad Pitt e Sean Penn estreia em Passo Fundo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

    Não é todo dia que estreia por aqui um laureado com a Palma de Ouro em Cannes. Muito menos quando este se trata de um ambicioso épico sobre a força da natureza através dos tempos, assim contado por meio de belíssimas imagens, tocantes atuações e uma relação entre pai e filho como perfeita metáfora para a história da humanidade desde o seu surgimento até onde ninguém pode prever. Observado com atenção após a vitória, o filme A Árvore da Vida foi o responsável por trazer de volta ao cinema o nome de Terrence Malick, diretor norte-americano de trajetória bastante peculiar. Apesar de aclamado em suas produções e dono de uma carreira de mais de 40 anos, Malick dirigiu apenas cinco longas, entre eles Terra de ninguém, Cinzas no paraíso e Além da linha vermelha, havendo entre estes últimos um intervalo de exatos 20 anos. Assim, intrigante e extremamente meticuloso em suas obras, o diretor resolveu retornar após o último hiato de seis anos de maneira triunfal: com um filme digno do prêmio máximo de um dos festivais de cinema mais importantes da atualidade.
    A consagração em Cannes, porém, não quer necessariamente dizer aceitação de público ou crítica - muitas vezes diz até o contrário. Distante do estilo hollywoodiano, o longa pode surpreender quem espera um drama tradicional. A presença de Brad Pitt e Sean Penn no elenco, por exemplo, pode confundir espectadores que esperam por uma obra semelhante àquelas que os atores estão acostumados a protagonizar. Tradicional, na verdade, é tudo que A Árvore da Vida não é. Inicialmente editado para 6 horas, o longa ganhou cortes e mais cortes até ser reduzido para duas horas e meia, o que diminuiu o tempo de exibição mas não alterou o seu ritmo.
    Definido por muitos como uma obra extremamente contemplativa, o longa de Malick passeia pela história da humanidade enquanto explora a relação de uma família nos anos 1950, usando para isso muita subjetividade e tomadas longas de paisagens das mais variadas, numa abordagem existencialista e quase religiosa do mundo. A trama, se é possível explicar, narra basicamente duas histórias em paralelo. Uma delas gira em torno da família O’Brien, formada por um pai severo vivido por Brad Pitt, a mãe doce e perfeita encarnada por Jessica Chastain e três filhos, o mais velho deles como protagonista e condutor da trama. Jack vive uma infância feliz e inocente, até que tudo muda com a morte de um de seus irmãos e o desequilíbrio total de sua família. A história passa então a mostrar a transformação do garoto Jack em um adulto perdido no mundo moderno e em constante busca pelo sentido da vida, a partir daí vivido pelo ator Sean Penn. Apesar de parecer se tratar de uma história qualquer, o viés escolhido por Malick dá grandiosidade ao tema até que este se torne uma questão teológica e filosófica, agradando ao exigente júri de Cannes - Robert DeNiro não poupou elogios - e chegando a ser comparado a outro clássico do cinema, o filme 2001: Uma odisseia no espaço, de Stanley Kubrick, por suas cenas longas e sem diálogos e uma impactante trilha sonora. Por essa escolha extrema, o diretor vem conquistando opiniões também extremistas, que vão desde a declaração de amor pela obra-prima até o descrédito total com um filme aparentemente sem sentido. Para quem ficar curioso, o filme fica em cartaz nesta semana em Passo Fundo, mas não deve permanecer por muito tempo.

Gostou? Compartilhe