Entre Eva e Ave

Espetáculo do Grupo Teatro Mecânico coloca a mulher no centro do palco e discute o papel feminino na sociedade

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No início de tudo, Eva experimentou a maçã. Expulsa do paraíso, tornou-se a mãe do pecado. Depois dela, veio a Ave Cheia de Graça. Concebida sem pecado, Maria tornou-se a mãe do amor. Entre uma e outra, uma multidão de Marias e Evas que não estão em nenhum dos apostos, mas lutam pelo meio termo.

Criado em 2006, a partir de fragmentos de textos, Eva Ave Marias ganhou corpo, ganhou voz. O espetáculo é um solo que traz para o centro do palco uma mulher – aqui interpretada pela atriz Tina Andrighetti – e a partir dela faz um panorama do gênero na sociedade e questiona o papel feminino na história. O Teatro do Sesc recebe o Grupo Teatro Mecânico neste sábado, 15, a partir das 20h.

Produzido com a intenção de provocar questionamentos, o espetáculo foge do drama e da cronologia. A abordagem é profunda e os fatos são associados com o passado e com situações atuais, o que possibilita relações com o próprio cotidiano de quem assiste. No palco, além da mulher, sapatos. Cada par inspira uma trajetória e constrói significado para a cena - tanto pela imagem quanto pela ludicidade a que se dispõem. Ainda que pareça, o espetáculo não é pretensioso a ponto de querer explicar o universo feminino. A intenção é apenas provocar – sem deixar de lado a visão masculina, mas olhando com a sensibilidade da mulher.

Tina Andrighetti falou com o Segundo Caderno sobre o espetáculo e suas intenções. Ela explica que no início, há oito anos, a preocupação era em ser ou não feminista. “A grande questão é: o que é ser feminista? E porque não ser? Não arrisco nas definições, mas assino Eva Ave Marias como um espetáculo pra se discutir a sociedade. É minha forma de ser feminista”, comenta. Nesse sentido, ela reflete que cada perda da mulher trouxe perda também para o homem e para a sociedade, de uma forma geral. “O fragmento da expulsão de Eva, extraído da Bíblia, por exemplo, mostra que também Adão foi julgado e nele lançada uma maldição. Todos perdemos e muito, com o "pecado original", cuja criação alimentou uma das maiores loucuras da história, que foi a inquisição. Então, como falar da mulher sem referir às perdas também para os homens? O espetáculo, não sei se tem essa clareza, mas sempre frisamos nas divulgações e em debates. Acredito que é também uma forma de comprometer os homens nessa caminhada”, explica.

 Confira a entrevista com a atriz e saiba mais sobre a experiência e sobre o espetáculo:

 Segundo Caderno: Como é realizar um espetáculo, atuar, e falar de um tema que é tão atual e que, por vezes, é deixado de lado, como o universo feminino?

Tina: É difícil, às vezes eu me sinto falando literalmente sozinha, como na peça (risos). Mas no trabalho, conto com pessoas especiais, que não estão aí apenas pra cumprir um papel e receber por isso. Acreditam mesmo que o espetáculo tem a sua missão, acreditam na sua fala. E talvez seja essa atualidade que incomoda. É como o racismo, como a homofobia, parece que nunca passa. O problema da violência contra a mulher, em todas as suas formas, é tão presente e tão agressivo, que às vezes preferimos que não nos lembrem disso. Por outro lado, a reação da plateia, ou melhor, de algumas pessoas, é muito gratificante. Tenho às vezes a impressão de que era "só chegar", já estavam nos esperando. Isso é muito bom e me encoraja seguir com ele.

Segundo Caderno: Existe alguma bandeira levantada? Se fala da mulher em que sentido? Quais os aspectos que são abordados?
Tina: Não, não tem bandeira alguma. Se tiver, é aquela que "baila" por uma sociedade melhor. Tenho uma ansiedade e uma urgência com isso. O espetáculo é feito de fragmentos, costurados entre si por sapatos que se transformam no que queremos que se transformem: objetos, compromissos, pessoas. Esses fragmentos abordam a mulher moderna, que trabalha fora, quer dar conta de tudo e tem uma ilusão de igualdade; a crença em um Deus que desencadeou a Inquisição, que lincamos com o advento do 'pecado original', com a expulsão de Adão e Eva; abordam uma faceta humanizada de Deus, a existência de Lilith; o estupro e a liberdade de decidir pela gravidez. Não nos comprometemos com uma sequência histórica, abordamos os assuntos que, naquele momento da montagem, nos pareceram mais pertinentes. E construímos, a partir de pedaços, uma dramaturgia. Deixamos as questões em aberto, o que dá um a liberdade de interpretação. 

Segundo Caderno: Depois de quase 8 anos de espetáculo existe um consenso sobre o papel da mulher na sociedade?
Tina: Acho que não. Percebo resistência de uma parcela da sociedade e também de alguns setores representativos, em reconhecer e assumir que a violência existe. Não é só a física, é a psicológica, a verbal também. Aqui me refiro a mulheres mesmo, não a homens. Uma persistência em comemorar com Kit para fazer bolos, com distribuição de perfumes, com ensinamentos sobre maquiagens pra melhor "valorizarem-se". É uma ideia de liberdade que não liberta, mas domestica. Não falo de ausência de vaidade. Mas da vaidade que não tire nossa lucidez, nossa capacidade de lutar também pelas outras e por dias melhores.

Gostou? Compartilhe