Nei Lisboa em quatro décadas

Músico se apresenta no Teatro do Sesc Passo Fundo, neste sábado, com repertório que viaja pelas principais músicas da sua carreira

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nei Lisboa é uma das maiores referências da música urbana produzida no Rio Grande do Sul. Sua musicalidade eclética, rebelde e cheia de humor serviu – e continua servindo – de escola para uma geração de artistas, que fazem das terras gaúchas um celeiro de boas surpresas musicais. Esses fatores, que o tornaram um ícone da cena, ganham os holofotes do Teatro do Sesc Passo Fundo neste sábado (16), às 20h.

O cantor traz ao município o show “Nei Lisboa Duo”, em que promove uma retrospectiva das suas quase quatro décadas de carreira. O repertório inclui clássicos, releituras e canções inéditas, passando especialmente pelas principais músicas de seus álbuns autorais, entre elas “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”, “Verão em Calcutá” e “Telhados de Paris”. Quem o acompanha é o tecladista Luiz Mauro Filho. O show tem classificação livre e dura em torno de 60 minutos.

Aos 60 anos de idade, Nei coleciona boas andanças por diferentes países e carrega uma verdadeira bagagem de influências dos lugares por onde passou. No entanto, é mesmo com Porto Alegre, cidade onde reside desde os seis anos de idade, que se dá sua ligação mais forte. Na capital gaúcha, mantém público fiel, desde aqueles que o acompanham ao longo de toda sua trajetória, até as novas gerações que agora o descobrem.

Extensa trajetória

Dono de uma sonoridade singular, Nei define como suas principais influências a música popular brasileira dos anos 60 e 70, pop/rock brasileiro, folkrock e até mesmo algumas pinceladas de música barroca. No currículo, tem onze discos e duas coletâneas. Seu primeiro álbum de estúdio foi lançado em 1983, mas o gaúcho já tocava nas noites porto-alegrenses desde 1979. De lá para cá, o talento nato para composição o fez ganhar admiração de outros nomes importantes na cena musical brasileira, que chegaram inclusive a interpretar suas canções autorais, como Caetano Veloso, Na Ozzetti e Zélia Duncan.

Além disso, o cantor e compositor gaúcho tem trabalhos como escritor e cronista, tendo lançado dois livros: o romance “Um morto pula a janela” (Artes&Oficios, 1992), que recebe também uma edição francesa pela editora L’Harmattan, e a coleção de crônicas “É Foch!” (L&PM, 2007). Em sintonia com a geração que consolidou um polo cinematográfico no sul do Brasil, seus versos estão também nas trilhas sonoras de filmes como “Meu Tio Matou um Cara” (de Jorge Furtado) e “Verdes Anos” (de Carlos Gerbase e Giba Assis Brasil).

 

Ingressos no Sesc

Comércio e Serviços: R$ 12,00

Meia Entrada: R$ 15,00

Empresário: R$ 20,00

Público Geral: R$ 30,00

 

Gostou? Compartilhe