Sombras que assombram

Durante todo o mês de junho, mostra sobre expressionismo alemão é atração do CineSesc em Passo Fundo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Misticismo, fantasmas, sobrevivência, sangue, morte, sombras: em meio a cenários retorcidos e maquiagens exageradas, surge o expressionismo, movimento artístico que nasceu no século XIX e passeou das tintas às telas. Nestas, o expressionismo se refletiu nos temas sombrios, no suspense carregado de nos mistérios em ambientes urbanos e nos personagens assustadores. Buscando mergulhar nesse universo, o Sesc oferece, durante o mês de junho, a “Mostra Sombras que Assombram  - O Expressionismo no Cinema Alemão” que, através de nove títulos, retrata a criatividade de diretores que viam o mundo de uma outra maneira.

 

Com auge na Alemanha arruinada pela Primeira Guerra Mundial, o expressionismo se caracterizou pelo uso de imagens fantásticas e assustadoras e, ao mesmo tempo, pela exposição de uma sociedade imersa em um cenário desolador e extremamente mecanicista. Os filmes exibidos pela mostra foram lançados entre 1919 e 1929 e  influenciaram grande parte da produção das décadas seguintes. “Como muitos cineastas fugiram da Alemanha pouco depois devido ao nazismo, acabaram levando também um pouco da sua influência a outros cinemas, principalmente o americano. O cinema de horror que se desenvolveu anos depois teve forte influência do uso de sombras e da teatralidade do expressionismo”, explica Fábio Rockenbach, professor da UPF e especialista em cinema.

Além disso, o expressionismo alemão influenciou, esteticamente, o cinema noir, principalmente no uso do contraste forte entre luz e sombra. “O noir é um filho do expressionismo, visualmente. Alguns diretores atuais, como Tim Burton, são reflexos distantes do estilo expressionista. Claro que isso tudo falando só em termos de visual, porque qualquer movimento estético ele só pode ser explicado pelo contexto em que surgiu. Mas esteticamente, o movimento dirigiu gêneros e sub-gêneros posteriores a partir de suas ideias formais”, conclui Rockenbach.

A Mostra acontece durante todo o mês, conforme programação abaixo. A entrada é franca. Mais informações sobre a atração podem ser obtidas no Sesc Passo Fundo, telefone (54) 3313-4318.       

 

Programação

 

1 de junho

O gabinete do Dr. Caligari - 1919 | 62 min | P&B – Dir. Robert Wiene

Teatro do Sesc, 20h

 

2 de junho

As mãos de Orlac - 1924 | 110 min | P&B – Dir. Robert Wiene

Teatro do Sesc, 20h

 

3 de junho

O golem - 1920 | 68 min | P&B – Dir. Paul Wegener

Teatro do Sesc, 20h

 

8 de junho

O gabinete das figuras de cera - 1924 | 83 min | P&B – Dir. Paul Leni

Teatro do Sesc, 20h

 

9 de junho

O homem que ri - 1928 | 110 min | P&B – Dir. Robert Wiene

Teatro do Sesc, 20h

 

10 de junho

Fausto - 1926 | 118 min | P&B – Dir. F. W. Murnau

Teatro do Sesc, 20h

 

11 de junho

Nosferatu - 1922 | 94 min | P&B – Dir. F. W. Murnau

Teatro do Sesc, 20h

 

29 de junho

A última gargalhada - 1924 | 91 min | P&B – Dir. F. W. Murnau

Teatro do Sesc, 20h

 

30 de junho

Metropolis - 1927 | 124 min | P&B – Dir. Fritz Lang

Teatro do Sesc, 20h

Gostou? Compartilhe