Vaca Profana de cara nova

Instalada em um espaço ainda maior, a casa de cultura pretende movimentar a cena local com novos projetos

Por
· 3 min de leitura
A casa cultural funciona agora na Rua Paissandu, 180A casa cultural funciona agora na Rua Paissandu, 180
A casa cultural funciona agora na Rua Paissandu, 180

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Depois de um ano e meio recebendo pessoas de todos os cantos de Passo Fundo, região e até mesmo de lugares ainda mais distantes, as paredes cor-de-rosa da casa de aparência antiga da Rua Morom parecem desbotadas. É que a alegria vibrante que a Casa de Cultura Vaca Profana levava ao local agora não habita mais ali. Por sorte, o motivo é bem bacana: agora, a Vaca ganhou uma casa nova, preparada para receber ainda mais amor nas paredes que aguardam a arte de voluntários.

Embora a mudança seja positiva, já que agora a Vaca Profana é abrigada por um espaço maior – um complexo com duas casas, uma garagem e um pátio amplo –, as motivações não foram tão boas. É que a casa onde a Vaca estava originalmente instalada era bastante antiga, não somente na aparência. Uma das organizadoras voluntárias da Casa, Mariah Teixeira, conta que desde o começo do projeto a Vaca sempre teve muito apoio, mesmo que apenas o mínimo necessário para tornar o espaço acessível, mas os esforços acabaram não sendo suficientes conforme a casa envelhecia. “A estrutura estava cedendo e não queríamos bancar com a reforma de um prédio que nem era nosso. Tivemos que cancelar a internet, não temos dinheiro sobrando, só a vontade de manter o espaço funcionando. Chovia dentro, tivemos diversos problemas ao longo do tempo e nos últimos dias se tornou tão precária a situação que não tivemos outra escolha a não ser mudar de espaço”.

O novo lar, que fica na Rua Paissandu (pertinho da Praça do Hospital da Cidade), está agora em processo de revitalização e pode levar um tempinho até que ganhe a vida própria que adquiriu no espaço anterior, onde as paredes eram cobertas pelas mais variadas formas de artes visuais. Mas nem por isso é menos bacana ou menos movimentado. Além de ter uma estrutura ainda melhor para abrigar os projetos da Vaca e receber o público, vários cantinhos devem receber ideias novas em breve, como a garagem, que pode perfeitamente se transformar em um espaço de ateliê. “É um complexo com duas casas, pátio e garagem. Agora tem um espaço maior para as apresentações musicais e teatrais, tem um espaço só de exposição e uma cozinha. Tudo bem mais fácil”, Mariah comemora. Apesar da cara nova, a ideia da Vaca ainda é a mesma e continua sendo mantida da mesma forma – por meio dos eventos promovidos, doações espontâneas e outros patrocínios financeiros. “Quem tiver interesse em ajudar com alguma quantia por mês para manter o espaço vivo será muito bem-vindo. Eu acho que está longe de ficar pronto [o espaço]. Estamos aceitando doações, aceitamos tintas, móveis usados – precisamos de uma geladeira. Os artistas que tiverem a fim de contribuir com obras de arte também, por favor, precisamos dar vida à casa nova”. Quem quiser propor oficinas para o espaço, assim como chegar lá e ajudar o pessoal a limpar e organizar o local, basta deixar um deixar um recado no Facebook. “Outra coisa que precisamos muito são materiais de ateliê e papelaria: cavaletes, telas de serigrafia, tintas, papéis, tudo isso vai ajudar muito”, Mariah destaca.

Com este novo gás, os planos para a Vaca estão longe de cessar. Além dos eventos já conhecidos e do trabalho de trazer para Passo Fundo nomes da cena independente, dando voz ao trabalho autoral de artistas de todo o país, a ideia agora é que a cena da cidade junte-se à Vaca na construção do novo espaço. A equipe está abrindo, também, espaço para a galera que produz quadrinhos e, com a casa maior, estão empolgados com a ideia de um espaço de ateliê livre. Sem falar que todos os eventos da Vaca visam sempre agradar os mais diversos públicos. A intenção, segundo Mariah, é justamente dar espaço no palco para públicos diferentes, para que as pessoas se sintam parte daquilo e ajudem na construção.  “Existe uma grande aceitação pela construção de um espaço cultural coletivo. Acredito que a Vaca deu um start para que outros espaços como esse surgissem na região. O Arteria, em Carazinho; o Sobrado Jardim em Erechim; o Espaço do Rito mesmo aqui em Passo Fundo. Todos esses espaços têm feito muito para manter as coisas funcionando, no que diz respeito à cultura”.

Agenda de julho da Vaca Profana:

12/07 (quarta-feira): peça Scória, com o grupo Madame Frigidaire, às 19h

15/07 (sábado): apresentação ao vivo das bandas Caro Antônio e Grandfúria, às 19h

16/07 (domingo): Xperience Brodcast, uma parceria com o canal Session#30min, às 17h

19/07 (quarta-feira): Poética – Quarta da Afetividade, às 20h

21/07 (sexta-feira): Isso Não é uma Jam, às 19h

22/07 (sábado): lançamento do projeto solo do Lucas Schutz, às 19h

26/07 (quarta-feira): Tabuleiraço do Barbas, uma parceria com o selo cultural Barbas de Alladin, às 20h

27 e 28/07 (quinta e sexta-feira, respectivamente): Curso de formação: Feminismo e Suas Vertentes, às 19h nos dois dias

Gostou? Compartilhe