Desempenho econômico na região de Passo Fundo é o 4º mais impactado no estado

Efeitos do coronavírus provocaram variação negativa de até 30% no último mês

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Os impactos da pandemia de coronavírus provocou uma retração de -30% no desempenho das atividades econômicas na região de Passo Fundo no último mês. Quarta mais afetada do estado, contudo, os indicadores apresentados, na quinta-feira (23), pela Receita Estadual demonstram que, nas duas últimas semanas, houve uma tímida recuperação no setor de vendas a varejo fazendo os percentuais recuarem 3% em relação ao cenário inicial. As avaliação são comparativas frente ao mesmo período do ano passado. 

A quarta edição do Boletim Semanal do órgão de receita sobre os impactos da Covid-19 nas movimentações econômicas dos contribuintes de ICMS do Estado apresenta como novidades uma análise dos efeitos por região do Rio Grande do Sul e novos indicadores de variação das vendas em curto prazo (14 dias) e médio prazo (28 dias).

A avaliação por região, segundo a Secretaria da Fazenda, é feita considerando a evolução do total de vendas a varejo no âmbito dos 28 Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Corede) existentes no Rio Grande do Sul. Passo Fundo integra o Corede Produção, cujo desempenho ficou atrás apenas dos Coredes Hortênsias, Metropolitano Delta do Jacuí e Serra. A análise mostra que o patamar individual das quedas está associado ao nível de participação de cada unidade na produção industrial do Estado, tanto que as maiores reduções estão concentradas nos Coredes próximos da região metropolitana e da Serra.

Em termos relativos, o Corede Hortênsias, que abrange os municípios de Gramado e Canela, por exemplo, é o que apresenta as maiores reduções no nível de atividade econômica (-45% no acumulado dos últimos 28 dias e -43% nos últimos 14 dias). “Essa constatação reforça outras análises que indicam que o setor de turismo é um dos mais afetados pela crise”, afirmou Ricardo Neves Pereira, subsecretário da Receita Estadual, durante a apresentação dos indicadores. 

De -30% a, agora, -27% no Corede Produção, a avaliação do desempenho acumulado de curto e de médio prazo (14 e 28 dias, respectivamente), no entanto, indicam a tendência de retomada gradual da atividade econômica na região revelada por outros indicadores, como a evolução semanal do valor das operações registradas dos documentos fiscais eletrônicos, do volume de combustíveis consumido e da atividade industrial.

Gostou? Compartilhe