Alta do PIB demonstra crescimento focado em investimento, diz Colnago

"Resultado aponta para crescimento sustentável de médio e longo prazo" - relata Esteves Colnago

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, considerou positivo o resultado do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país), que subiu 0,4% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o último trimestre de 2017. O índice ficou um pouco acima do esperado pelo mercado, 0,3%. Para o ministro, o resultado demonstra crescimento sustentável de médio e longo prazos.

 

“É importante, demonstra um crescimento muito focado em formação bruta de capital fixo, que é investimento, uma coisa boa. Isso demonstra um crescimento sustentável de médio e longo prazo”, disse Colnago, que falou a empresários durante o Fórum de Investimentos Brasil 2018, na capital paulista.



O primeiro trimestre registrou alta de 0,6% na formação bruta de capital fixo.

 

América Latina

Ao participar de um painel sobre investimentos na América Latina, Esteves Colnago defendeu a integração econômica como forma de obter ganhos com os países vizinhos. “A gente não tem um banco de projetos comum entre os países, o que poderia dar um retorno entre os diversos atores”, disse o ministro.

 

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, que também participou do fórum, estimou que a instituição tenha uma carteira de US$ 6,5 bilhões investidos em gasodutos, ferrovias, metrôs e hidroelétricas em países latino-americanos.

 

Dyogo Oliveira, assim como o ministro do Planejamento, reforçou a necessidade de integração dos mercados financeiros dos países latinos. “Estamos perdendo oportunidades, mas não é sem tempo. O Brasil talvez seja o país que tem mais possibilidade de se beneficiar e aw fortalecer com essa integração”, afirmou.

 

Gostou? Compartilhe