Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

O Rio Grande do Sul teve 74.686 mais demissões do que admissões no mês

Escrito por
,
em
A queda de postos de trabalho foi de 763.232 de janeiro a abril (Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As demissões superaram as contratações com carteira assinada em 860.503 postos de trabalho, em abril. Foram 1.459.099 desligamentos e 598.596 contratações. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados hoje (27). O saldo de abril foi o pior da série histórica iniciada em 1992.

Segundo o Ministério da Economia, os dados mostram que a queda no número de contratações contribuiu de forma expressiva para o saldo negativo de empregos formais.

Enquanto as demissões tiveram um incremento de 17,2%, as admissões caíram 56,5% na comparação com abril de 2019. Em valores nominais, São Paulo teve o pior desempenho, com saldo negativo (mais demissões do que contratações) de 260.902. O estado é seguido por Minas Gerais com 88.298 demissões (descontadas as contratações) e Rio de Janeiro, 83.626, 

O salário médio real de admissão no Brasil passou de R$ 1.496,92 em abril de 2019 para R$ 1.814,62 no mês passado.

O secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, disse que o resultado reflete os efeitos da pandemia da covid-19 na economia brasileira, mas que demonstra que o Brasil está conseguindo preservar emprego e renda. “No entanto, pelos mesmos motivos de pandemia, não estamos conseguindo manter a contratação que mantínhamos outrora”, disse, acrescentando que na comparação com outros países, o Brasil está em situação melhor. “Os Estados Unidos estão com mais de 35 milhões de pedidos de seguro desemprego e o Brasil está chegando ao número de 860.500 desempregados”, explicou. Em março, mês de início das medidas de isolamento social devido à pandemia da covid-19, o saldo de emprego formal ficou negativo em 207.401. 

2020

De janeiro a abril de 2020 foram 4.999.981 admissões e 5.763.213 demissões no país, com resultado negativo de 763.232. As admissões caíram 9,6% e as demissões subiram 10,5% no período, comparado ao primeiro quadrimestre de 2019. 

O setor com maior queda é o de serviços. O saldo negativo é 362.378 de janeiro a abril. Apenas em abril foram 362.378 mais demissões do que admissões. O número é mais de 3 vezes maior do que o saldo de março (111.767). O setor apresentou saldos positivos em janeiro e fevereiro. No segundo mês do ano o setor teve 138.585 mais admissões do que demissões. 

A Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentaram a menor queda no número de empregos formais de janeiro a abril, com saldo negativo de 4.999. 

Rio Grande do Sul

O estado teve o quarto pior desempenho do país em abril de 2020, com 74.686 mais demissões do que admissões. De janeiro a abril o saldo negativo foi de 53.122. No quadrimestre, o RS teve o 5º pior desempenho, perdendo para os estados do sudeste e Pernambuco. O resultado também é o pior na região Sul. Santa Catarina tem o saldo negativo de 31.292 e Paraná de 22.424.

Manutenção de empregos

Desde 1º de abril, data da edição pelo governo federal da Medida Provisória 936/2020, que criou o Programa Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, foram preservados mais de 8,1 milhões de empregos no país, segundo o Ministério da Economia. O programa prevê que os trabalhadores que tiverem jornada reduzida ou contrato suspenso e ainda auxílio emergencial para trabalhadores intermitentes com contrato de trabalho formalizado receberão o Benefício Emergencial de Preservação da Renda e do Emprego (BEm).

Trabalho intermitente

A modalidade de trabalho intermitente teve, no período de janeiro a abril, 49.228 admissões e 35.105 demissões em 2020, o que resultou em saldo positivo 14.123. Já o regime de trabalho parcial registrou 71.044 contratações e 63.334 desligamentos, com resultado de positivo de 7.710 postos de trabalho com carteira assinada.

Somente no mês de abril, o trabalho intermitente chegou ao saldo negativo de 2.375, com 7.291 admissões e 9.666 demissões. No mesmo período, houve 4.881 contratações e 14.029 desligamentos na modalidade de trabalho parcial, com saldo negativo de 9.148.

Esta modalidade permite o trabalho sem horário fixo e o pagamento é realizado pelas horas trabalhadas. 

Calendário

Após a primeira divulgação do Novo Caged, o ministério definiu um calendário para os próximos dados do emprego formal no país: as informações de maio serão divulgadas no dia 29 de junho; em julho serão divulgados os dados de junho e assim por diante.

Com informações da Agência Brasil

Relacionadas

Gostou? Compartilhe