Economia favorece, mas resultado individual varia

Comerciantes registram vendas abaixo da expectativa e começam a preparar promoções para impulsionar vendas

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O cenário é favorável para as vendas de inverno. O frio está ai e as condições da economia apresentam um momento melhor em comparação com o do ano passado. Aumento do emprego formal, inflação e juros mais baixos são alguns dos fatores que são favoráveis. No entanto, o que se observa em Passo Fundo é que as vendas estão abaixo do esperado e os comerciantes já começam a pensar em promoções para impulsionar as vendas.


O presidente do Sindilojas de Passo Fundo, Jeferson Kura, explica que a movimentação está aquém do esperado. “O comércio de vestuário esperava um pouco mais desse período. Os lojistas já estão pensando em fazer promoções um pouco mais cedo”, pontua. De acordo com ele, as promoções dos itens de inverno geralmente se iniciavam entre agosto e setembro, mas neste ano estão sendo antecipadas.


A economista chefe da Fecomércio-RS Patrícia Palermo explica que não há um levantamento específico sobre as vendas no período, mas o que se observa, de maneira geral, é um ambiente econômico mais favorável em relação ao ano passado. De acordo com ela, o mês de maio, por exemplo, não pode ser usado como parâmetro de análise em função de ter sido um mês atípico em função, entre outros fatores, da greve dos caminhoneiros. Patrícia explica que a greve alterou muito a rotina das cidades. Enquanto alguns setores conseguiram se manter, como os supermercados em função da antecipação das compras, uma parte das lojas, que depende do fluxo de pessoas que foi diminuído pela dificuldade de acesso, tiveram resultado inferior.


Cenário é melhor, mas exige atitude
Na análise da economista, neste ano o cenário é melhor em relação ao ano passado. Há mais empregos formais, a inflação está sob controle e os juros mais baixos. Para ela, a análise por parte dos comerciantes deve levar em consideração tanto a avaliação externa quanto a interna. “Sempre digo que a gente muitas vezes olha para o ambiente econômico e faz críticas a ele, mas peca em olhar para dentro do nosso negócio e ver o que está dando certo e o que está dando errado e precisamos buscar soluções para as crises que são nossas, tem que olhar se o problema são as vendas em geral, ou se são as suas vendas”, orienta. Para ela, a ação do lojista tem de ser feita todos os dias a fim de atrair a atenção do consumidor.


Vitrines atrativas e mudadas com frequência, ações nas redes sociais, buscar identificar se o produto oferecido é aquele que o consumidor está buscando, são estratégias que podem ser utilizadas. Para a economista é fundamental que o lojista tenha a capacidade de identificar estratégias que já não funcionam mais e buscar novas. “Não se pode ter apatia diante do cenário. É preciso tomar atitudes cotidianas, estudar os resultados, entender o que vende mais ou menos e entender o público que cada loja atende”, enfatiza.

Gostou? Compartilhe