Ritmo segue lento na balança comercial

No acumulado do ano, o saldo é de U$ 6,4 milhões, 70% a menos do que o registrado nos três primeiros meses de 2017

Escrito por
,
em
Exportação de carne de frango teve queda de mais de 30% em 2018 na comparação com o ano passado

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Com queda na exportação de carne de frango, a balança comercial iniciou com ritmo mais lento em 2018. O saldo da balança comercial de Passo Fundo teve queda de mais de 70% nos três primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a março de 2017, o resultado alcançava os U$ 24,3 milhões. Até março deste ano, o superávit é de U$ 6,4 milhões. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.


Somente em março, foram exportados U$ 9,9 milhões e importados U$ 5,3 milhões. O saldo da balança comercial, de aproximadamente U$ 4,5 milhões, é a diferença do valor das exportações menos as importações. Apesar de positivo no último mês, em fevereiro Passo Fundo registrou saldo deficitário de U$ 11,5 milhões. O resultado foi o pior para o período em dez anos. Na comparação sazonal, o número de fevereiro só não foi pior do que em 2008, quando registrou - U$ 21 milhões.


No lado das exportações, a venda de carne de aves teve uma queda de 32% neste ano em relação ao ano passado. O produto representa em torno de 41% de tudo que Passo Fundo comercializa ao exterior. Por outro lado, a soja in natura teve aumento nas exportações, de mais de 240%. Neste ano foi faturado U$ 25,1 milhões. No mesmo período do ano passado, o produto representou U$ 7,2 milhões. Apesar do aumento, a soja in natura possui menor valor agregado no mercado em relação aos produtos industrializados. O grão representa outros 45% do total comercializado por Passo Fundo.

 

Agronegócio brasileiro cresce em exportações
As exportações do agronegócio brasileiro somaram US$ 9,08 bilhões em março, um crescimento de 4,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior (quando as vendas chegaram a US$ 8,73 bilhões). Os dados foram divulgados pelo Ministério da Agricultura na segunda-feira (9). Já a importações, por outro lado, registraram valor de US$ 1,29 bilhão, o que representa queda de 6,9% na comparação com março de 2017. Por causa disso, o saldo da balança comercial do último mês (exportações menos importações) foi de US$ 7,79 bilhões. Os produtos do agronegócio representaram 45,2% do total das vendas externas brasileiras no período, com aumento de quase dois pontos percentuais de participação comparado a março do ano passado.


No período de avaliação, as exportações foram puxadas principalmente por produtos de origem vegetal, como é o caso da celulose, com 75,4% de incremento (vendas de US$ 765 milhões), e as carnes, que somaram US$ 592 milhões em vendas, um aumento de 22,1% na comparação com março do ano passado. Também contribuíram para esse crescimento as vendas de produtos como sucos (US$ 107,51 milhões); cereais, farinhas e preparações (US$ 93,55 milhões); fumo e seus produtos (US$ 78,84 milhões) e fibras e produtos têxteis (US$ 27,97 milhões).


Em termos de valor exportado, o complexo soja (soja em grão, farelo de soja e óleo em soja) representou 44,3% do total de vendas (US$ 4,03 bilhões), enquanto carnes (in natura e industrializada) e produtos florestais (papel, celulose e mandeira) responderam, respectivamente, por 14,8% (US$ 1,34 bilhão) e 13,9% (US$ 1,2 bilhão). O complexo sucroalcooleiro (açúcar e álcool) somou 7% do total em vendas (US$ 636 milhões), seguido do café, com 4,5% (US$ 349 milhões) do montante. Os cinco setores representam 84,4% das exportações totais do agronegócio. O restante inclui itens como fumo, couro, frutas, cereais e farinhas, pescado e lácteos.


Trimestre
No acumulado do primeiro trimestre de 2018, as exportações brasileiras do agronegócio atingiram US$ 21,47 bilhões, cifra que supera em 4,6% o resultado de igual período do ano passado, significando recorde para resultados de janeiro a março. A quantidade embarcada, em termos de volume, subiu 6,7%, mas o índice geral de preço do setor sofreu queda de 1,9%, com destaque para carne de frango (-8,2%), carne suína (-16,9%), carne de peru (-22,2%) e complexo sucroalcooleiro (-25,7%).


As importações recuaram 3,9% no trimestre, caindo de US$ 3,76 bilhões para US$ 3,61 bilhões, desempenho explicado, sobretudo, pela queda de 3,8% no índice de quantidade, enquanto o índice de preço teve ligeiro decréscimo de 0,1%, de acordo com o Departamento de Acesso a Mercados do ministério. Com isso, no trimestre, o superavit comercial do agronegócio subiu de US$ 16,76 bilhões para US$ 17,86 bilhões, constituindo cifra recorde para períodos de janeiro-março.


Em 12 meses
As exportações do agronegócio atingiram US$ 96,96 bilhões nos últimos 12 meses, apurados entre abril de 2017 e março deste ano. O número representa crescimento de 13,5% em relação aos US$ 85,42 bilhões exportados entre abril de 2016 e março de 2017. As importações do agronegócio diminuíram de US$ 14,35 bilhões entre abril de 2016 e março de 2017 para US$ 14,01 bilhões entre abril de 2017 e março de 2018, queda de 2,4%. Com isso, o saldo comercial do agronegócio dos últimos 12 meses foi de US$ 82,96 bilhões, superior aos US$ 71,07 bilhões no período anterior (2016/2017).


Os cinco principais setores exportadores do agronegócio apurados em 12 meses foram: complexo soja (participação de 32,7%); carnes (participação de 15,9%); produtos florestais (participação de 12,8%); complexo sucroalcooleiro (participação de 11,8%); e cereais, farinhas e preparações (participação de 5,8%).

Gostou? Compartilhe