Preço e perspectiva de clima são favoráveis à cultura

Com 20% da área plantada, conclusão da semeadura deve se dar até o final do mês de junho

Escrito por
,
em
Na região de Passo Fundo, plantio é feito historicamente na segunda quinzena de junho a fim de evitar danos com geadas tardias, caso elas ocorram

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O trigo está com cerca de 20% da área a ser cultivada nesta safra semeada na região de Passo Fundo. Com perspectiva de clima favorável e preços em patamares mais elevados em relação a 2017, a cultura deve ter um incremento de área na região, enquanto no Estado, o levantamento realizado pela Emater/RS-Ascar indica uma redução na área total. Com as boas perspectivas, produtores têm investido em boa tecnologia para garantir bons resultados.


O levantamento realizado pela Emater/RS-Ascar indica uma redução de 3,35% em relação à safra passada, quando, segundo o IBGE, foram cultivados 691.553 hectares, passando para 668.395 hectares este ano. Levando-se em conta uma produtividade média de 2.142 kg/ha, calculada a partir da tendência apresentada pelas produtividades médias dos municípios produtores do cereal nas últimas dez safras, a produção total a ser alcançada seria de 1,431 milhão de toneladas. Isso significa um aumento de 16,71% em relação ao ano passado, quando o RS colheu apenas 1,226 milhão de toneladas, devido à baixa produtividade registrada naquela safra (1.777 kg/ha). O primeiro levantamento foi realizado em 282 municípios, abrangendo 97% da área de produção do Estado.


Na região abrangida pela Emater Regional de Passo Fundo, a estimativa é de que sejam cultivados 49.498 hectares, com produtividade média de 2.510 quilos por hectare. Com isso, a estimativa de produção na região é de 124.247 toneladas. Conforme o engenheiro agrônomo da Emater, Cláudio Dóro, na região, o zoneamento agroclimático indica o plantio até 10 de julho. Historicamente, os produtores plantam com maior intensidade na segunda quinzena de junho, a fim de tentar evitar perdas com geadas tardias que possam ocorrer no período da formação das espigas e dos grãos.


Até o momento, cerca de 20% da área a ser cultivada já está plantada na região. No entanto, por ser uma área muito menor em relação à safra de soja, por exemplo, o plantio é mais rápido e pode ser concluído antes do final deste mês. Nas áreas plantadas algumas já estão germinando e apresentam boas condições. Apenas áreas que foram atingidas pelas chuvas intensas da última semana tiveram perdas de sementes e de fertilizantes devido à lavagem do solo. Além disso, áreas de erosão foram identificadas devido à intensidade das precipitações.


Condições favoráveis
Dóro lembra que as condições climáticas e de mercado do ano passado não eram favoráveis à cultura. No entanto, neste ano, com o período de neutralidade climática, sem interferência de fenômenos El Niño ou La Niña, o clima deve beneficiar o desenvolvimento das áreas cultivadas. “Esse ano temos previsão de normalidade com chuvas dentro do normal e temperatuas um pouco mais frias. Climaticamente esse ano é bem melhor que o ano passado”, reforça lembrando dos problemas enfrentados em 2017 com o excesso de umidade em momentos críticos do desenvolvimento da cultura que prejudicaram a produtividade e a qualidade.


O preço também tem sido um fator de estímulo. “No ano passado, nessa mesma época, o trigo valia cerca de R$ 31 a saca e hoje está próximo dos R$ 43”, ressalta. Além disso, o rendimento das culturas de verão, que não foram tão elevados, acabaram por forçar os produtores a investir mais no inverno. Por outro lado, o trigo teve pequeno aumento no custo de produção, especialmente relacionado aos custos dos fertilizantes. Quem adquiriu esses produtos após a greve dos caminhoneiros pode ter uma elevação nos preços de cerca de 15%. As sementes também tiveram uma elevação, mas os defensivos agrícolas estão com preço praticamente estabilizado em relação ao ano passado.


Outras culturas
A cevada está com o plantio praticamente encerrado. Dóro destaca que a cultura terá uma redução grande na área em função dos maus resultados obtidos no ano passado. A canola também terá redução significativa na área, mas ainda não há dados concluídos. O motivo é o mesmo da cevada, baixa produtividade. As áreas cultivadas com aveia branca estão sendo implantadas agora.

Gostou? Compartilhe