Sindicatos marcam reunião para segunda-feira

Empresa catarinense promete ajuste na proposta e Sindilojas quer unificar a negociação

Escrito por
,
em
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sindilojas e Sindicato dos Comerciários de Passo Fundo voltam a se reunir na próxima segunda-feira, 21, para tratar da convenção coletiva e da proposta feita pela Havan para instalar a megaloja em Passo Fundo. A informação foi confirmada ontem pelas duas entidades. Na mesa de negociação, um novo item que será apresentado pela Havan para tentar agilizar o acordo. Em meio a uma enxurrada de informações desencontradas, decorrentes da morosidade na negociação entre os sindicatos, ganhou força a informação de que  a empresa estaria se instalando em Erechim. O anúncio foi do secretário de Desenvolvimento Econômico do município vizinho, Altemir Barp, em entrevista ao grupo Atmosfera, na quarta-feira (16).

No entanto, nada foi confirmado oficialmente pela Havan. O advogado que representa a empresa nas relações locais, José Mello de Freitas, informou que a rede tem pressa e está em busca de uma cidade que atenda às suas necessidades, mas não assegurou a desistência por Passo Fundo e nem confirmou a instalação na cidade vizinha.

Além de já ter terreno negociado com a Comercial Zaffari, a Havan está com a documentação pronta na Prefeitura. O único empecilho ainda é firmar acordo com o sindicato no que se refere à utilização da mão de obra aos feriados. Freitas disse que acredita na negociação do sindicato, mas que, senão houver, a empresa pode sim se instalar em outras cidades e há muitas que já manifestaram interesse.

No dia 7 de maio, a empresa Havan, por intermédio do Sindilojas, apresentou proposta de acordo ao Sindicato dos Comerciários, na tentativa de levar adiante as negociações. Como não obteve retorno dos trabalhadores, a classe patronal fez alguns ajustes e deverá apresentar uma nova proposta à laboral na próxima segunda-feira (21).

O presidente da entidade que representa os comerciários, Tarciel da Silva, informou que após a reunião de segunda, a categoria fará uma assembleia para deliberar sobre essa nova proposta da Havan. Além dessa questão, as entidades negociam a convenção coletiva deste ano, que vale para todas as lojas do comércio. O presidente do Sindilojas, Jefferson Kura, explicou que, apesar da possibilidade de se fazer um acordo separado para a Havan com os trabalhadores, a ideia é integrar na mesma convenção coletiva. Ou seja, a decisão que vale para a rede catarinense, vale também para todas as outras lojas.

 A Havan quer a liberdade de abrir aos feriados e ofereceu a folga em três datas. A última convenção coletiva da classe em Passo Fundo, porém, previa a não utilização da mão de obra no comércio em sete datas, são elas: Revolução Farroupilha (20 de setembro), Finados (2 de novembro), Natal (25 de dezembro), Ano Novo (1º de janeiro), Dia do Trabalhador (1º de maio), Domingo de Páscoa e Sexta-feira da Paixão. A validade do documento expirou no dia 31 de março deste ano.

 

Fake news

Notícias que circulam em portais sobre a desistência da vinda da Havan para Passo Fundo e sua instalação em Erechim alegam que o motivo é a legislação municipal, que tratam da abertura do comércio, considerada como ultrapassada. A abertura de grandes lojas, como a da rede catarinense, depende de autorização para utilização do uso da mão de obra. Essa autorização precisa ser firmada em convenção ou acordo coletivo de trabalho, segundo a lei 11.603, de 2007. Logo, não depende de leis municipais.

Além disso, a legislação de Passo Fundo, que trata do assunto, não faz restrições, como foi afirmado pelos portais. Pelo texto atual, a lei 3.562, de 5 de janeiro de 2000, o horário de funcionamento do comércio de Passo Fundo é livre, “ressalvada a abertura em dias de domingos e feriados, que estará condicionada ao estabelecimento de condições de trabalho, nesses dias, em convenção coletiva de trabalho ou em acordo coletivo de trabalho”.

Porém, em 2001, o Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado (Sincogêneros) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) para derrubar a parte da legislação. De acordo com a entidade, essa exceção prevista na lei 3.562/2000 – do funcionamento em domingos e feriados que depende de convenção coletiva – não era constitucional. O argumento do Sincogêneros RS, à época, é que esse trecho da lei é uma questão trabalhista e, por assim ser, não é competência do Município. O art. 22, I, da Constituição Federal prevê que cabe à União legislar sobre direito do trabalho.

O entendimento do Ministério Público Estadual foi em acordo com a entidade, apontando, em seu parecer, que não cabia ao Município legislar sobre o que não era de sua competência. Em outubro de 2003, o TJ-RS acatou o pedido, julgando procedente a ação do sindicato e declarando a inconstitucionalidade da lei municipal. Deste modo, a frase: “ressalvada a abertura em dias de domingos e feriados, que estará condicionada ao estabelecimento de condições de trabalho, nesses dias, em convenção coletiva de trabalho ou em acordo coletivo de trabalho” não teve mais validade. A partir dessa ação de inconstitucionalidade, não há restrição na cidade.

 

Gostou? Compartilhe