Arrecadação municipal cresceu 9,7% no primeiro semestre

A receita exclusiva do Executivo aumentou 4%, na comparação sazonal

Por
· 4 min de leitura
Secretário de Finanças Dorlei Maffi

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Prefeitura de Passo Fundo arrecadou, de janeiro a junho deste ano, 4% a mais em comparação ao mesmo período de 2018. A receita do período foi de R$ 256,8 milhões. No ano passado, os valores ficaram na casa dos R$ 246,8 milhões. O secretário de Finanças, Dorlei Maffi avalia o resultado como positivo porque ficou acima da inflação e também pelo contexto econômico que o país atravessa e cuja crise tem reflexos nos municípios.

No balanço que engloba o orçamento de todos os poderes e autarquias (Executivo, Legislativo, Hospital Beneficente Dr. César Santos e o Instituto de Previdência Social dos Servidores Municipais), as receitas tiveram acréscimo de 9,7%. De janeiro a junho deste ano, foram arrecadados R$ 321,1 milhões. No mesmo período do ano passado, o índice ficou em R$ 292,5 milhões.Os dados constam no relatório resumido da execução orçamentária que foram publicados ontem (30) pela Administração Municipal.

Conforme Maffi, a elevação das receitas se deve, em resumo, há duas razões. A primeira é o aumento na arrecadação de tributos, tanto municipais quanto de retornos dos governos estadual e federal. O segundo fator foi a fiscalização intensificada em relação à dívida ativa do Município.

Despesas

Em relação às despesas, foram liquidados R$ 232,4 milhões. No mesmo período do ano passado, as despesas ficaram na casa dos R$ 214,3 milhões. O aumento, de 8%, é consequência de restos a pagar, que ficaram do ano passado e foram quitados no primeiro semestre de 2019.

Saldo

Subtraindo o valor das despesas sob o das receitas, o saldo dosemestre foi de R$ 88,6 milhões. Porém, parte expressiva deste valor pertence a autarquias, como o IPASSO, por exemplo. O saldo exclusivo da Prefeitura não foi informado.

 

Segundo semestre

O trabalho de fiscalização e cobrança do cadastro de dívida deve seguir no segundo semestre, sobretudo porque, o volume de receita se concentra no primeiro semestre com a arrecadação expressiva do IPTU e IPVA. Apesar disso, o secretário mantém a expectativa de que a economia vai apresentar sinais de melhora.

DorleiMaffi ressalta que o Município mantem suas obrigações, como a folha de pagamento e os índices mínimos destinados à saúde e educação, em dia. A Prefeitura também está nos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A previsão de arrecadação total para 2019 é de R$ 659,7 milhões. Em 2018, a estimativa de receita era de R$ 600,8 milhões. Durante todo o ano, R$ 595,2 milhões ingressam nos cofres públicos.

 

Orçamento do próximo ano

Com objetivo de ouvir a população sobre a elaboração do orçamento do Município para 2020, uma audiência pública foi realizada na noite de segunda (29). Foi o início do debate a respeito das metas fiscais de Passo Fundo para o próximo ano. A reunião foi no Plenarinho da Casa Legislativa. Os parlamentares ouviram reivindicações da comunidade sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que corresponde a uma estratégia financeira às diretrizes gerais, metas e prioridades, relativas ao exercício financeiro para o próximo ano. Além disso, orientar a elaboração dos orçamentos fiscais e da seguridade social e de investimento do Poder Público, incluindo os poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e as empresas públicas e autarquias.Seguindo o cronograma de tramitação da matéria no Legislativo, a reunião foi promovida pela Comissão de Finanças Planejamento e Controle (CFPC).

O Sindicato dos Professores Municipais de Passo Fundo (CMP-Sindicato), representado pelos professores Regina Costa dos Santos, Tiago Machado e Eduardo Albuquerque, reivindicaram em nome dos professores da rede, que sejam incluídas na LDO três questões à cerca da educação. Entre elas, garantir o número aproximado de 150 vagas para as promoções das professoras da educação infantil, que seja garantido o pagamento do piso nacional dos professores eliminando desta forma, a necessidade do uso de completivo e que se garanta na LDO, as vagas para Bolsa Mestrado conforme projeto que está sendo elaborado pelo Executivo. O CMP-Sindicato hoje contabiliza aproximadamente 1300 professores da educação infantil e séries iniciais e finais do ensino fundamental. Regina também destacou a importância de se estabelecer políticas públicas pela vida das mulheres. Ela chamou atenção para a necessidade da implantação de ações claras pela preservação, combatendo a violência contra as mulheres.

Já os representantes da causa ambiental, Ademar Marques, secretário executivo da Agenda 21, e Paulo Fernando Cornélio, presidente do Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (Gesp), solicitaram uma maior atenção ao Plano de Saneamento Municipal e apoio às atividades de economia solidária. Também que as ações de melhorias no Parque WolmarSalton sejam pensadas com uso sustentável. Ainda pediram que a formação da sociedade, para o desenvolvimento da Educação Ambiental seja contemplada na Lei, por meio de apoio às unidades de conservação no parque Natural Municipal do Pinheiro Torto e Parque Urbano Municipal Arlindo Haas.

As moradias irregulares, tema recorrente no Legislativo, também foi lembrado na audiência. O representante do movimento social “Luta pela Moradia” de Passo Fundo, Luiz Carlos Melo, alertou sobre o possível aumento do número de ocupações, caso não sejam implementados mais projetos habitacionais.

A LDO 2020 está integrada a um processo que começa com o Plano Plurianual (PPA 2018 - 2021) e segue com a Lei Orçamentária Anual (LOA 2020), de acordo com os requisitos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. A previsão do orçamento do município para o próximo ano é de R$ 710 milhões.

As metas fiscais englobam as previsões do Poder Executivo, do Poder Legislativo e das Autarquias Hospital Beneficente Dr. César Santos - HBCS, Instituto de Previdência Social dos Servidores Municipais IPPASSO e Caixa de Prestação de Assistência e Serviços de Saúde dos Servidores Municipais de Passo Fundo - CAPASEMU.

 

 

 

Gostou? Compartilhe