Dezembro fecha negativo, mas 2019 teve saldo positivo

Passo Fundo gerou, no ano passado, 795 novos empregos, segundo dados do Caged

Por
· 3 min de leitura
Geração de empregos no ano passado foi a melhor desde 2013 no Brasil

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O município de Passo Fundo teve variação negativa no emprego, no mês de dezembro, mas fechou o ano de 2019 com saldo positivo de 795 vagas. Os dados foram divulgados na sexta-feira pelo Caged. Em dezembro do ano passado, o município demitiu mais do que contratou, gerando o fechamento de 236 vagas. Os setores que tiveram os maiores saldos negativos foram o serviço com 182 vagas, seguido da indústria com o fechamento de 145 vagas, construção civil e agropecuária com 23 vagas a menos respectivamente.

O comércio manteve-se com índice positivo e registrou 138 novas contratações no último mês do ano. Normalmente esse é um mês positivo para o setor, em função das contratações temporárias de fim de ano.

Ano encerra positivo

Variação total - 795 vagas criadas

Comércio – 530

Serviços – 121

Indústria – 109

Construção Civil - 69

 No Brasil

Os dados de dezembro no país, também tiveram saldo de novos empregos negativo. No último mês de 2019, o saldo ficou negativo em 307,3 mil vagas. Em 2018, o saldo de dezembro havia sido de 334,4 mil vagas fechadas. Os maiores desligamentos foram no setor de serviços, com menos 113,8 mil vagas, e na indústria de transformação, com redução de 104,6 mil postos de trabalho. O comércio foi o único a apresentar saldo positivo, com 19,1 mil vagas criadas.

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo também foi positivo: 8,8 mil novas vagas em dezembro. Comércio e serviços dominaram as contratações com saldos de 3,7 mil e 3,1 mil novos postos, respectivamente. Já o trabalho parcial teve déficit de 2,2 mil vagas no mês passado.

Na média geral do ano, no entanto, o Brasil registrou a criação de 644 mil vagas de emprego formal no ano passado, 21,63% a mais que o registrado em 2018. De acordo com o Ministério da Economia, é o maior saldo de emprego com carteira assinada em números absolutos desde 2013. Segundo o Caged, o estoque de empregos formais chegou a 39 milhões de vínculos. Em 2018, esse número tinha ficado em 38,4 milhões.

Todos os oitos setores da economia registraram saldo positivo no último ano. O destaque ficou com o setor de serviços, responsável pela geração de 382,5 mil postos. No comércio, foram 145,4 mil novas vagas e na construção civil, 71,1 mil. O menor desempenho foi o da administração pública, com 822 novas vagas.

No recorte geográfico, as cinco regiões fecharam o ano com saldo positivo. O melhor resultado absoluto foi o da Região Sudeste, com a criação de 318,2 mil vagas. Na Região Sul, houve abertura de 143,2 mil postos; no Nordeste, 76,5 mil; no Centro-Oeste, 73,4 mil; e no Norte, 32,5 mil. Considerando a variação relativa do estoque de empregos, as regiões com melhores desempenhos foram Centro-Oeste, que cresceu 2,30%; Sul (2,01%); Norte (1,82%); Sudeste (1,59%) e Nordeste (1,21%).

Em 2019, o saldo foi positivo para todas as unidades da federação, com destaque para São Paulo, com a geração de 184,1 mil novos postos, Minas Gerais, com 97,7 mil, e Santa Catarina, com 71,4 mil.

De acordo com o Caged, também houve aumento real nos salários. No ano, o salário médio de admissão foi de R$ 1.626,06 e o salário médio de desligamento, de R$ 1.791,97. Em termos reais (considerado o deflacionamento pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC), registrou-se crescimento de 0,63% para o salário médio de admissão e de 0,7% para o salário de desligamento, na comparação com novembro do ano passado.

No RS

Seguindo a mesma tendência do país, o Rio Grande do Sul  teve desempenho negativo nos empregos formais de dezembro, mas fechou bem o ano passado. No último mês do ano foram fechadas 18,6 mil vagas. Mesmo assim, o Estado mais contratou do que demitiu em 2019, com saldo positivo de 20.426 vagas.  A indústria de transformação (- 11.143 vagas), agropecuária (- 4.787), serviços (- 3.462) e construção civil (- 1.971) puxaram o resultado para baixo. Enquanto o comércio foi o que mais contratou no ano passado, com 2.731 novas vagas.

Novas regras

Segundo os dados divulgados hoje, em 2019 houve 220,5 mil desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado. Os desligamentos ocorreram principalmente em serviços (108,8 mil), comércio (53,3 mil) e indústria de transformação (35 mil).

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo ficou positivo em 85,7 mil empregos. O melhor desempenho foi do setor de serviços, que fechou 2019 com 39,7 mil novas vagas. No comércio, o saldo ficou em 24,3 mil postos; na indústria da transformação, 10,4 mil; e na construção civil 10 mil. As principais ocupações nessa modalidade foram assistente de vendas, repositor de mercadorias e vigilante.

Já no regime de tempo parcial, o saldo de 2019 chegou a 20,3 mil empregos. Os setores que mais contrataram nessa modalidade foram serviços, 10,6 mil; comércio, 7,7 mil; e indústria de transformação, 1,2 mil. As principais ocupações foram repositor de mercadorias, operador de caixa e faxineiro.

Gostou? Compartilhe