Impostômetro registra recorde de arrecadação

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Impostômetro atingiu ontem a marca recorde de R$ 1,2 trilhão. A ferramenta eletrônica calcula em tempo real o valor arrecadado em impostos pelos governos federal, estaduais e municipais. O Impostômetro foi desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) em parceria com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). No ano passado, o contador eletrônico registrou, no dia 31 de dezembro, o valor de R$ 1,09 trilhão. A vice-presidente do IBPT, Letícia do Amaral, atribui o recorde de arrecadação este ano à implementação de medidas para reduzir a sonegação, entre outros fatores. “As ferramentas de fiscalização, que tentam barrar a sonegação de tributos, estão mais eficientes, permitindo o crescimento de arrecadação. Por outro lado, sabemos que o brasileiro paga muito imposto. Mesmo existindo a sonegação, muitos brasileiros tentam manter o pagamento em dia.”

De acordo com a vice-presidente do IBPT, o instituto pretende criar mais duas ferramentas para monitorar a aplicação dos impostos arrecadados e informar a população: o Gastômetro e o Corruptômetro. Para Letícia do Amaral, ferramentas como essas ajudam a conscientizar os brasileiros. “Essa ferramenta utiliza fontes diferentes, agrega arrecadação em nível federal, estadual e dos principais municípios brasileiros. O diferencial do Impostômetro é que ele computa as multas e juros dos impostos em atrasos, isso o governo não faz ainda. Devido à divulgação dessa arrecadação, a população tem se tornado muito mais consciente em relação aos seus direitos e deveres”, diz.

O professor de economia Bento Félix afirma que um dos fatores que influenciaram o recorde de arrecadação é a carga tributária do Brasil, uma das mais elevadas do mundo. “Precisamos de uma reforma tributária para incentivar a produção interna do país, que perde cada vez mais espaço para o mercado estrangeiro. As empresas que exportam para o Brasil pagam impostos até menores do que as empresas nacionais.”

De acordo com Félix, uma reforma tributária possibilitaria o aumento da produção do país, aumentando os empregos e as exportações. “A arrecadação de impostos poderia até aumentar, sem a necessidade de cobrar taxas altas, como temos hoje. Quando existem mais empregos, existe mais produção e a economia se aquece, o que resulta em mais consumo”. Para visualizar o painel de divulgação da arrecadação de impostos basta acessar o endereço eletrônico www.impostometro.com.br.

Gostou? Compartilhe