Legumes e verduras pressionam a inflação

Frutas amenizam as altas

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu com menos intensidade, na terceira prévia de março, com variação de 0,83% ante 0,84%. O levantamento feito em sete capitais pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra, no entanto, que embora tenha apresentado decréscimo, o grupo alimentação continua pressionando o orçamento doméstico e manteve-se com a maior taxa entre os oito grupos pesquisados ao atingir 1,58% ante 1,59%.

Entre os itens alimentícios mais caros estão o tomate com alta de 44,43% ante 42,56%; a batata inglesa que subiu de 27,40% para 36,69% e a alface encontrada a preços até 19,49% maiores ante 20,40%. Esses ingredientes provocaram uma elevação de 0,94% ante 0,86% nas refeições servidas em bares e restaurantes. Em compensação, caiu o ritmo de alta das frutas cotadas na média em 1,84% ante 4,21%. A maçã, por exemplo, teve queda de 4,86% ante um recuo de 2,12%.

O resultado geral do IPC-S reflete decréscimos em cinco grupos com destaque para transportes (de 0,90% para 0,78%) que foi influenciado pela tarifa de ônibus urbano (de 1,45% para 0,95%). Em habitação, a taxa passou de 0,65% para 0,63%; em despesas diversas, de 0,39% para 0,33% e, em comunicação, de 0,26% para 0,13%. No grupo vestuário foi mantida a estabilidade com variação de 0,36% . Já nos demais grupos restantes ocorreram acréscimos: educação, leitura e recreação (de 0,35% para 0,63%) e , em saúde e cuidados pessoais (de 0,46% para  0,50% ).

Gostou? Compartilhe