Microcrédito gaúcho já liberou mais de R$ 203 milhões

Cerca de R$ 161,5 milhões foram destinados para capital de giro pela pessoa física em 20.166 operações contratadas

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Programa Gaúcho de Microcrédito já liberou um total de R$ 203.535.980,06 através da celebração de 25.045 contratos, desde sua implantação em agosto de 2011. Do montante liberado na modalidade microcrédito, R$ 161,5 milhões foram destinados para capital de giro pela pessoa física em 20.166 operações contratadas e R$ 16,9 milhões para a pessoa jurídica através da assinatura de 1.830 contratos. R$ 21,5 milhões foram aplicados em investimentos pela pessoa física em 2.716 contratos e R$ 3,4 milhões destinados para investimentos pela pessoa jurídica através de 333 financiamentos. 

Do total liberado pelo microcrédito, R$ 6,413 milhões foram destinados para tomadores residentes ou que exercem alguma atividade produtiva em regiões atendidas pela iniciativa do Projeto Economia Pacificadora, que tem como finalidade fomentar o comércio nas regiões onde estão instalados os Territórios de Paz. Nessa área, foram concretizadas 1.068 operações de crédito. A iniciativa destina-se ao combate da criminalidade, por meio do investimento na criação de emprego e geração de renda em áreas conflagradas pela violência. 

A dinâmica observada no âmbito do microcrédito foi assinalada pelo secretário da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sesampe), Maurício Dziedricki, ao apontar que cada empreendedor tem uma família, o que significa mais de 75 mil pessoas beneficiadas. Uma pulverização de recursos altamente positiva e com repercussão maior em termos de economia doméstica, do que os proporcionados por grandes empreendimentos, que também buscam apoio do governo do Estado. 

Territórios de Paz 
Segundo o levantamento, no município de Porto Alegre, o Microcrédito no RS na Paz financiou R$ 1,881milhão, através de 341 operações realizadas, sendo 118 operações para empreendedores do território de paz no Bairro Rubem Berta - eles movimentaram um valor de R$ 697.597,65. No Bairro Restinga Velha, o montante de R$ 670.460,52 foi pulverizado através de 124 operações. No território de paz da Lomba do Pinheiro, foram concretizadas 72 operações com a liberação de R$ 352.181,63 e no Bairro Santa Tereza, 27 empreendedores receberam R$ 161.666,58 em microcrédito.

Para os demais Territórios de Paz em todo o Rio Grande do Sul, foram liberados R$ 6.413.038,25 em 1.068 contratos. Além de Porto Alegre, foram instalados Territórios da Paz localizam-se em Canoas, Caxias do Sul, Esteio, Guaíba, Novo Hamburgo, Santa Cruz do Sul, São Leopoldo, Sapucaia do Sul e Vacaria. 

Um dos destaques dos financiamentos nos Territórios de Paz é o da empreendedora Millene da Silva Gonçalves, que, em abril deste ano, instalou seu próprio negócio - a Casa de Chá Sabor e Arte no bairro Restinga, em Porto Alegre, empreendimento concretizado através do Programa Gaúcho de Microcrédito. A tomadora investiu os R$ 4 mil do financiamento na compra de mesas, cadeiras e louças para equipar a casa de chá. O empréstimo feito em dezembro de 2012, com juros de 0,64% ao mês, está sendo pago em 15 parcelas. 

A rede de microcrédito gaúcha concede um tipo de financiamento em que o tomador do empréstimo recebe dinheiro e assessoria técnica. São oferecidas linhas de crédito e incentivos financeiros aos moradores para potencializar a atividade comercial. Com condições facilitadas e taxas de juros de 0,64% ao mês, os micro e pequenos empreendedores podem obter financiamentos que variam de R$ 100,00 a R$ 15 mil para aplicar em pequenos negócios ou investir em ampliações e reformas.

Os recursos financeiros disponibilizados pelo programa são oriundos do Banrisul e garantidos pelo Fundo de Apoio à Microempresa, ao Microprodutor Rural e à Empresa de Pequeno Porte (Funamep).

Gostou? Compartilhe