Venda de veículos aumenta 0,6% em julho

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A venda de veículos no País aumentou 0,6% em julho na comparação com o mês anterior, de acordo com balanço mensal da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), divulgado nesta quinta- feira (4) na capital paulista. No acumulado do ano, o crescimento chegou a 8,6%.

Segundo a Anfavea, foram produzidos no mês 307.198 unidades, 3,9% a mais do que no mês anterior quando a indústria produziu 295.605 unidades. Comparado ao mesmo mês do ano passado, a produção registrou aumento de 5,7% e no acumulado do ano 4,3%. As exportações tiveram incremento de 27,2% em julho, com 46.502 unidades vendidas.

O presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, aproveitopu a divulgação dos dados para comentar as medidas de incentivo ao setor automotivo, anunciadas pelo governo ontem e que vão vigorar até julho de 2016. Uma delas é a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) das montadoras que investirem em tecnologia, inovação e obedecerem a exigências mínimas de utilização de componentes nacionais nos veículos.

“Não existe redução de alíquota do IPI, o que existe é uma medida provisória feita pelo governo que tem o objetivo de autorizar a criação de um programa com incentivo tributário voltado para a inovação, pesquisa e desenvolvimento de tecnologia e também conteúdo nacional. Os detalhes ainda serão acertados entre o governo e o setor. A medida dá poderes ao executivo para que ele possa elaborar um regime especial para incentivar o setor a alavancar o emprego e a produção no País. O que está claro é que essa medida provisória não reduz o IPI para ao mercado”.

O dirigente destacou que as medidas deverão colaborar com a indústria ao incentivar a inovação tecnológica, a engenharia brasileira, a inteligência automotiva na área de pesquisa e desenvolvimento para criar situações que aumentem a competitividade ao setor. “Com isso agregando conteúdo nacional ao parque de fornecedores brasileiros. Esse é o primeiro passo para competir com o mercado internacional, o pior seria não fazer nada”.

Fonte:
Agência Brasil

Gostou? Compartilhe