Vendas de Natal crescem 9% nos supermercados gaúchos

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Para a semana do Ano-Novo, além dos espumantes, os supermercados apostam na comercialização de itens típicos como lentilha, carne suína, sobremesas e outras bebidas.
O clima festivo, as altas temperaturas e fatores conjunturais positivos, como a liberação do saque de parte do FGTS pelo Governo Federal e a possibilidade de parcelamento do IPVA no Estado, contribuíram para que o setor supermercadista gaúcho atingisse as expectativas de vendas neste Natal, com um crescimento de 9% em relação ao mesmo período do ano passado. Para o presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo, o calendário favorável – que possibilitou aos consumidores visitarem os supermercados no fim de semana, na segunda e na terça-feira para o abastecimento da ceia – foi decisivo para o resultado positivo, que consolida o Natal de 2019 como o melhor nos últimos dez anos para o setor.
De acordo com o presidente da Agas, os gaúchos estiveram muito atentos aos preços, adequando sua ceia às promoções e possibilidades encontradas nas lojas. “Houve um crescimento de 5% no número de visitas, mostrando uma intenção de pesquisar muito latente nos consumidores”, observa Longo. Segundo ele, bebidas como refrigerantes e cervejas foram os grandes destaques em vendas, devido às altas temperaturas dos últimos dias, com um incremento médio de 15% nas vendas. “De cada quatro itens registrados nos caixas na véspera de Natal (24/12), um era uma bebida. Cerca de 90% dos consumidores que passaram pelas lojas adquiriram bebidas nesta terça-feira”, sublinha o supermercadista.

Outro dado que chama a atenção é um crescimento de 5% na venda de carvão para churrasco – mostrando que o hábito de comemorar com familiares e amigos não foi minimizado pela alta nos preços da carne bovina das últimas semanas. “Embora o volume físico de carne bovina tenha registrado pequena queda nas vendas, houve uma clara migração para outros produtos, como frango, pão de alho e salsichão, que registraram excelentes vendas”, destaca Longo. Com relação às aves natalinas, como perus e chesters, o crescimento foi de 8%. “A diversidade de preços fez a diferença, com opções de aves de R$ 6,90 a R$ 29,90 o quilo”, explica Longo.

Os panetones, também tradicionais no período natalino, cresceram acima da média (12%), enquanto brinquedos pequenos e kits de Natal registraram procura crescente na semana que antecedeu a ceia natalina. “O calendário ajudou o consumidor se lembrar de mais pessoas que poderiam ser presenteadas. Assim, itens como a caixa de bombom tiveram grande procura nos últimos três dias”, afirma o presidente da Agas.

Preparativos para o Ano-Novo
Para a semana do Ano-Novo, além dos espumantes, os supermercados apostam na comercialização de itens típicos como lentilha, carne suína, sobremesas e outras bebidas. “O crescimento deverá ser similar, até pela projeção climática de tempo bom”, conclui Longo.

 

Lojistas

Levantamento realizado junto aos associados da CDL – Câmara de Dirigentes Lojistas de Passo Fundo, em 2019 o Natal teve um crescimento entre 4% e 5% comparado com a mesma data comemorativa no ano anterior. Os presentes preferidos foram roupas, brinquedos e cosméticos. Mas o destaque ficou mesmo com o setor alimentício e supermercadista, que alcançou quase 9% comparando as vendas de Natal dos anos de 2018 e 2019. A presidente da CDL, justifica o aumento, “Os juros baixos que aumentaram a circulação de dinheiro e a tomada de crédito, o aumento no poder de compra com a liberação de recursos do FGTS foram fatores que criaram um cenário muito positivo para as vendas de final de ano”.
Para a presidente da CDL o mês de dezembro, ainda pode ter mais números positivos “O ano ainda não acabou. Temos agora o período de trocas, onde alguns lojistas aproveitam para dar descontos e liquidar seus estoques, no momento que os clientes retornam as lojas para as efetivar as trocas”, destaca Carina.

 

Gostou? Compartilhe