"O Brasil merece ter produção de combustíveis avançados"

Afirmação é do presidente da APROBIO e ECB Group Erasmo Battistella durante abertura de Simpósio sobre o tema

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O presidente da Associação Brasileira de Biocombustíveis do Brasil – APROBIO e do ECB Group, Erasmo Carlos Battistella, palestrou nesta terça-feira, sobre a “Visão para os Biocombustíveis Avançados e o Renovabio”, no VI Simpósio de Eficiência Energética, Emissões e Biocombustíveis, promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva – AEA.

O evento aconteceu de forma online e reuniu especialistas em um fórum de discussão, no qual compartilharam as experiências e as oportunidades que a engenharia automotiva possui para implantar tecnologias globais e desenvolver novas tecnologias locais. Para que desta forma, possa atender as legislações ambientais, a matriz energética e cada vez mais os biocombustíveis.

Neste ano a atividade teve como tema a “Mobilidade Sustentável: Oportunidades para a Engenharia Brasileira”. Battistella abriu o primeiro painel apresentando os biocombustíveis de primeira geração (biodiesel) e os de segunda geração (HVO - diesel verde, SPK – bioquerosene de aviação e Green Naphtha).

O empresário ressaltou que os biocombustíveis representam um passo importante na busca por um combustível sustentável para o mundo no século XXI. “Essas são as soluções de sustentabilidade para o nosso planeta que deve reduzir suas emissões de CO2 em todas as formas de transporte. E isso passa pela descarbonização dos transportes e pelo desenvolvimento rural, impulsionado por metas e mandatos ambiciosos para biocombustíveis (misturas obrigatórias) em todo o mundo,” salientou Battistella.

“O Brasil merece avançar mais na produção de biocombustíveis, contando com indústrias com tecnologia de ponta, design modernos, mais sustentáveis, capaz de produzir biocombustíveis mais limpos, como o HVO, o SPK, o Green Naphtha e o GLP verde,” pontou o empresário, destacando o investimento que vem fazendo no Paraguai, denominado de Omega Green, que está em fase final de projeto.

O Simpósio também contou com as palestras: “A perspectiva Brasileira de eficiência energética e emissão de CO2 e análise das alternativas tecnológicas”, ministrada pelo gestor de pesquisa do Centro Tecnológico da MAHLE Brasil, Everton Silva; “Estratégias e Tecnologias para o controle de emissões veiculares”, pelo Diretor de Catalisadores Automotivos da América do Sul, Stephan Blumrich; e, “Emissões Evaporativas de veículos etanol”, pelos engenheiros da General Motors do Brasil, Rafael Rossini e Danilo Torres.

Gostou? Compartilhe