Cesta básica de Passo Fundo teve 15,61% de variação acumulada em 12 meses

Desvalorização do Real e vendas para o exterior impactam na inflação, diz economista

Por
· 3 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A alta no preço de  produtos, alguns deles tradicionais na mesa dos brasileiros, chamou a atenção dos consumidores ao longo da semana. Nessa lista, o arroz tornou-se protagonista do debate. O aumento geral em agosto foi de 0,24% em relação a julho. Mesmo a taxa sendo inferior ao aumento registrado em julho, de 0,36%, esse é o maior resultado para um mês de agosto desde 2016. Ao longo deste ano, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 0,70%, já nos últimos 12 meses a alta é de 2,44%. Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A maior contribuição para o aumento é dos Transportes, com variação de 0,82%. No entanto, chamou mais a atenção a contribuição de Alimentação e bebidas, com elevação de 0,78%.

Vendas para o exterior 

Segundo o economista e professor da Universidade de Passo Fundo, Andre da Silva Pereira, alguns fatores contribuem para o aumento da inflação. Um deles é a desvalorização do real frente ao dólar, de aproximadamente 36% entre agosto de 2019 e agosto de 2020. Outro fator, citado pelo especialista, é o fato de que a China  aumentou compras externas, tendo o Brasil como grande fornecedor. "O Brasil aumentou as exportações, não apenas para a China, o que fez com que o produtor internamente tivesse mais ganhos em vender para o exterior do que vender internamente”, diz André.

Economista analisa inflação e cesta básica em Passo Fundo (Foto: Arquivo/ON)

Mudança de comportamento

Na avaliação do especialista, a mudança de comportamento das pessoas durante a pandemia também impactou na inflação, gerando o aumento do consumo e a substituição da feição da rua pela preparada em casa.

Os alimentos para consumo em domicílio tiveram alta de 1,15%. Já para a alimentação fora do domicílio o índice segue em queda, com menos 0,11% em agosto. “Essa troca de comportamento de consumo das famílias aliada com o auxílio emergencial, fez com que houvesse uma elevação de consumo interno e mais visitas ao mercados e feiras”, explica o professor.

Passo Fundo

Esses fatores, no caso de comportamentos similares de consumo no RS, também severvem para explicar o aumento do valor da cesta básica em Passo Fundo, justifica o professor, que é um dos executores do boletim mensal divulgado pelo Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (FEAC) da UPF. A cesta é composta por produtos do grupo alimentação, higiene pessoal e limpeza.

Agosto 

No mês de agosto, o custo para uma família típica passo-fundense subiu 3,12% em relação ao mês anterior. A alta é de R$30,44 por cesta, chegando ao valor de R$ 1.007,18 para aquisição de uma cesta. Nos últimos doze meses, a variação acumulada da cesta básica de Passo Fundo é de 15,61%. Apenas em 2020 o aumento é de  12,40%. A probabilidade dos preços dos alimentos se manter em alta até dezembro é considerada grande, de acordo com o economista.

Dados: Centro de Pesquisa e Extensão – FEAC/UPF, agosto de 2020 (Arte: Bruna Scheifler)

Ações

Na quarta-feira (9) a Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro deste ano. Entre os objetivos está abastecer o mercado interno, ajustar a oferta do produto e evitar que a variação do dólar incentiva ainda mais as exportações, de acordo com o professor que considera a ação positiva.

Para impedir um aumento da inflação, o economista defende as reformas tributárias e administrativas, privatizações, implementação de parcerias público- privadas e reformas estruturais para reduzir burocracia, corrupção e atrair empresas privadas para investimento.

Impacto

Em famílias com rendimento de 01 a 05 salários mínimos os preços tiveram alta de 0,36% em agosto. No ano, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumula alta de 1,16% e, nos últimos 12 meses, de 2,94%. “Em períodos inflacionários, mesmo que concentrado em alguns segmentos, são sempre os mais pobres (menor renda) que mais pagam quando há alta dos preços dos alimentos”, destacou o professor. Para esse grupo, o peso do grupo alimentação é maior. “Uma alta de preços no grupos alimentação, impactará de maneira mais forte nos mais pobres e de menor renda. Influencia diretamente no aumento das desigualdades sociais no país”, ressalta André.

A alta traz consequências severas para o grupo. “Se eu gastar mais do meu dinheiro com alimentação, talvez tenha que deixar para mais adiante o pagamento das contas de luz, água. Pensar em usar lenha ao invés do botijão. As famílias ficam mais pobres”, resumiu o economista.

Para reduzir o impacto da inflação nas famílias mais pobres o professor reafirma as medidas sugeridas anteriormente e sugere políticas públicas de renda e de inclusão social.

Gostou? Compartilhe