Passo Fundo avança em emprego e renda e alcança alto desenvolvimento

Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal leva em conta dados de saúde, educação, emprego e renda.

Por
· 2 min de leitura
Melhores condições de renda e trabalho contribuiram para que Passo Fundo alcançasse nível de alto desenvolvimento.Melhores condições de renda e trabalho contribuiram para que Passo Fundo alcançasse nível de alto desenvolvimento.
Melhores condições de renda e trabalho contribuiram para que Passo Fundo alcançasse nível de alto desenvolvimento.

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mesmo diante de um cenário nacional de desaceleração da geração de empregos e menor crescimento da renda, Passo Fundo conseguiu se destacar na 6ª edição do IFDM (Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal) como a 48ª cidade do Brasil com melhor desenvolvimento nas condições de emprego e renda. O avanço nesta vertente fez com que o município atingisse 0,8072 ponto no índice geral que considera ainda dados de saúde e educação. A evolução do IFDM foi de 3% na comparação com 2010, desempenho que foi praticamente o dobro do registrado no Brasil no mesmo período (1,8%). Para a Firjan, a pontuação de Passo Fundo alcançou alto desenvolvimento (superior a 0,8), desempenho que somente 9,7% dos municípios gaúchos alcançaram nesta edição. O IFDM do país foi de 0,7320 e a média dos municípios gaúchos foi de 0,6934.

Criado em 2008, o IFDM tem o objetivo de monitorar o desenvolvimento socioeconômico do país, estados e municípios baseado em informações oficiais dos ministérios da Educação, Saúde, Trabalho e Emprego. O avanço nestas variáveis acompanhadas pelo IFDM na última década dá uma dimensão das transformações ocorridas no cotidiano da população passo-fundense. Nesta edição foram utilizados os dados de 2011, o que permite a comparação do desenvolvimento do município com o ano de 2010. Para o economista e professor da Universidade de Passo Fundo, Julcemar Zilli, o avanço  mostra que as condições de emprego e renda no município estão melhorando cada vez mais. “A atração de grandes empresas geraram aumento no valor dos bens e serviços produzidos e fez com que ocorresse aumento na procura por mão de obra na região aquecendo, com isso, o mercado. Nesse sentido, muitas pessoas perceberam a necessidade de melhorar a qualificação e procuraram os diferentes mecanismos e instituições para melhorar a capacitação e, com isso, se inserir no mercado”, explica.

Associado ao crescimento econômico observado na cidade está a melhoria nos indicadores sociais, como Educação e Saúde. Zilli destaca que os índices mostram que ocorreram avanços importantes na educação do município como o aumento do Índice de Desenvolvimento da Escola Básica (IDEB) de 4, em 2005, para 5,1, em 2013, segundo o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Com isso, o IFDM Educação passou de 0,7065 para 0,7232 pontos, crescimento de 2,3% entre 2010 e 2011.  Desde 2008, vem apresentando uma evolução constante, mas está ainda em uma posição desfavorável diante dos mais de 5 mil municípios do país: 2.731ª do ranking. No Rio Grande do Sul, está na 273ª posição. Mesmo com este avanço, este indicador ainda é o único de Passo Fundo considerado de médio desenvolvimento.

A saúde possui a maior pontuação entre os indicadores que compõe o IFDM, também considerado de alto desenvolvimento. Com 0,8745 pontos, o resultado reflete a evolução de um conjunto de variáveis que compõem o IFDM Saúde, como o indicador de internações sensíveis à atenção básica, os números de consultas pré-natal, óbitos por causas mal definidas e óbitos infantis por razões evitáveis.  “O setor da saúde cresce dia após dia e a tendência aponta para melhorias ainda mais importantes com ampliação do Hospital São Vicente de Paulo, colocando a município como um polo estadual de Saúde”, analisa o economista. Neste item, o município está em 611º lugar no ranking nacional e no Estado na 200ª posição. 

Gostou? Compartilhe