Gaúcho fez história dentro e fora dos gramados

Confira como foi o ano para o SC Gaúcho

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Considerado o ‘ano da virada alviverde’, 2012 foi recheado de conquistas para o S.C. Gaúcho. Mergulhado em uma crise financeira de aproximadamente R$ 6 milhões, provocada por quase três centenas de ações, a maioria delas trabalhistas, o clube se livrou da dívida, com a venda do estádio Wolmar Salton, pelo valor de R$ 8, 6 milhões, para o Hospital São Vicente de Paulo.

Dentro de campo, a equipe desacreditada pelos maus resultados na primeira fase, foi se superando a cada jogo.  Montado às vésperas do início da Segundona, o plantel era composto por 23 atletas, a maioria jovens e sem nenhuma experiência em competição profissional. Para comandar a equipe, a direção trouxe o técnico Celso Freitas.

Na primeira fase, o time não entrosou e os resultados negativos foram se sucedendo. Em cinco jogos, o alviverde somou apenas um ponto. Sem dar ouvidos às críticas, o grupo permaneceu trabalhando duro e os resultados foram surgindo. A classificação para a segunda fase, que parecia impossível aconteceu. Ainda durante as comemorações da vaga, o técnico Celso Freitas e mais dois jogadores comunicaram ao presidente Gilmar Rosso, a transferência para o Guarani de Garibaldi, que mais tarde seria eliminado pelo próprio Gaúcho.

O preparador físico  Marco Aurélio e o auxiliar Roberto Chiaparini assumiram o vestiário. O ex-zagueiro Serjião reforçou a comissão técnica. Na fase mata-mata, depois de perder em casa, o Gaúcho eliminou o invicto TAC de Três Passos.

O adversário seguinte foi o Guarani de Garibaldi, comandado por Celso Freitas. Após vencer  1x0 em casa, o time perdeu por 2x1 no segundo confronto, mas foi beneficiado pelo saldo de gols. Com a vaga garantida, o Gaúcho decidiu a Segundona contra o Aimoré, mas perdeu as duas partidas.

Depois das conquistas, dentro e fora do gramado, 2012 ainda reservaria mais uma surpresa para o torcedor alviverde. A Prefeitura Municipal cedeu uma área de aproximadamente 3,7 hectares, junto ao ginásio poliesportivo do Teixeirinha para construção da mini-arena do clube. A concessão foi aprovada por unanimidade pela Câmara de Vereadores. “Foi um ano  inesquecível” resumiu o presidente Gilmar Rosso.
 

Gostou? Compartilhe