Ghion Júnior diz que vaga é um reconhecimento à torcida

Uma equipe de futebol depende muito da torcida, o carinho é importante

Por
· 1 min de leitura
Ghion Júnior com o ídolo BebetoGhion Júnior com o ídolo Bebeto
Ghion Júnior com o ídolo Bebeto
Você prefere ouvir essa matéria?

Um projeto renovador e ambicioso que já colhe frutos. Na avaliação do presidente do Sport Clube Gaúcho, Augusto Ricardo Ghion Júnior, a proposta da nova diretoria vem atingindo os seus objetivos. Uma vaga (Copa do Brasil ou Série “D”) já está garantida. “Na verdade, apesar do pouco tempo, nesses mais de 90 dias estamos seguindo a proposta de fazermos um time vencedor. Claro que é um projeto ambicioso, pois queremos conquistar vagas e, agora, vamos trazer a taça para Passo Fundo”. Sobre a decisão da Copa Wianey Carlet, Ghion diz que “é difícil, pois o Avenida é uma grande equipe e também vai lutar para vencer”. Nas palavras do presidente, o vínculo torcedor-clube é indissociável. “Só tenho a agradecer pelo tanto que eles vêm colaborando e indo ao campo. Uma equipe de futebol depende muito da torcida, desse carinho importante. A resposta é essa, pois chegamos à decisão”.



Em campo com Bebeto
De pai para filho, Ghion Júnior repete o feito de seu pai, Augusto Ricardo Ghion, que era mais conhecido como Marau. “Em 1984, quando ele era o presidente, o Gaúcho foi campeão e subiu para a Divisão Principal”. Já naquela época, com apenas cinco anos de idade, o hoje presidente do clube acompanhava o pai no velho Estádio Wolmar Salton. “Eu ia com o pai e entrava em campo com o time. Era fã do Bebeto e entrava de mãos dadas com ele em todos os jogos. Apesar de ter apenas cinco anos naquela época, ainda tenho na memória algumas imagens como a do estádio lotado, um jogo contra o Grêmio com Renato em campo e da despedida do Bebeto. Foram momentos inesquecíveis. Por isso queremos trazer de volta esse público, com a presença das famílias nos dias de jogos”, concluiu Ghion Júnior.

Gostou? Compartilhe